Publicado em 28/10/2008 as 12:00am

Acusado de assediar menores corta pulseira eletrônica e foge

Getúlio Barbosa é acusado de tentar molestar sexualmente uma menor de 13 anos. A denúncia do assédio foi apresentada à polícia de Coconut Creek, que o prendeu, e agora, está novamente à sua procura

Depois de pagar fiança no valor de $80 mil e de voltar para casa com uma algema eletrônica no tornozelo, que deveria monitorar todos os seus passos, Getúlio Barbosa, de 40 anos, encontrou uma maneira de livrar-se das algemas, e fugiu. Ele é acusado de tentar molestar sexualmente uma menor de 13 anos, filha de uma família amiga há sete anos.

A denúncia do assédio foi apresentada à polícia de Coconut Creek, que o prendeu, e agora, está novamente à sua procura. O pai da menina, Helder Feixas, conta que a filha e a enteada de Barbosa eram muito amigas, o que aproximou as duas famílias, desde quando moravam em New Jersey. “Não foi o motivo principal, mas a mudança deles para cá foi um catalizador para virmos para a Flórida. Eles moravam em frente à minha casa, em Coconut Creek”, diz Feixas.

Ele conta que o fato aconteceu em meados deste ano, quando autorizou que a filha fosse levada por Barbosa à festa de formatura de uma amiga. “Ele se ofereceu para levar e nós confiamos cegamente”, diz o pai da menina.

 

Assédio

Feixas explica que, segundo a filha, Barbosa disse que teria que levar dinheiro para um funcionário de sua empresa de instalação de telhados. Desviou o caminho e levou a menor para um apartamento do qual tinha a chave. De acordo com o que foi narrado pela menor, chegando lá, Barbosa trancou a porta e tentou puxá-la para a cama. Ao lado da cama, segundo ela, havia uma câmera filmadora. “Minha filha resistiu e conseguiu se desvencilhar, e ele disse que a levaria para casa, mas que se contasse alguma coisa a alguém, estava ferrada. No dia seguinte, na aula, ela desabafou com uma amiguinha e não sabia que a professora estava ouvindo. A professora, imediatamente, chamou a polícia”, conta Feixas.

 

Acusações

Barbosa é acusado de molestação lasciva, conduta lasciva, limitação de liberdade e atentado ao pudor contra menor de 16 anos. Além disso, é acusado de possessão de droga e de remédio controlado, sem receita. Procurado pela reportagem do Gazeta, o defensor público designado para representar Barbosa na corte, Jacob A. Cohen, não respondeu ao pedido de entrevista, até o fechamento desta edição.

 

Outras investidas

O pai da menina lembra que, após tomar conhecimento do ocorrido, descobriu que a enteada de Barbosa também havia sido assediada sexualmente pelo padrasto. “Ela nunca quis expor a mãe a uma situação difícil. Somente depois do que aconteceu com a minha filha é que ela contou que, por mais de uma vez, ele teria tentato tocar suas partes íntimas. A menina é muito calada, introspectiva”, diz Feixas.

 

Esposa

Ele diz não ter certeza se Telma, a mulher de Barbosa, tinha conhecimento de tais fatos. No entanto, diz que, há cerca de um mês, Telma teria bebido um pouco e desabafado. “Vocês não sabem o que eu tenho agüentado e o que eu tenho visto”, teria dito Telma, que, na ocasião, estaria separada de Getúlio.

 

Justiça

Feixas lamenta que a justiça tenha fixado valor de fiança para Barbosa o que favoreceu o fato de agora ele estar “livre”. A menor deixou a Flórida com a mãe e, segundo o pai, apresenta sinais de trauma psicológico. “Não sou psicólogo, mas acho que vai demorar muitos anos para ela sarar disso. Eu sei que isso fica marcado para o resto da vida, mas espero que com ela seja diferente. Ela não é mais a mesma, não dorme bem à noite, e quando dorme, é abraçada a um ursi-nho”, diz Feixas.

 

Paradeiro

Na opinião do pai da menor, Barbosa ainda está nos Estados Unidos. “Eu não acredito que tenha fugido. Ele sempre foi muito apegado ao filho e à enteada. Os dois estão aplicando para a cidadania e não creio que sairiam do País. Além disso, ele nunca requereu novo passaporte no consulado e não tem passagem por nenhum aeroporto”, conclui Feixas.

 

Fonte: (Gazeta News)