Publicado em 31/10/2008 as 12:00am

Pintora brasileira expõe quadros na Biblioteca de Lynn

"De repente a pintura começou a sair, assim, com a maior facilidade," diz a brasileira Maria Rosário Jardim, engenheira civil que vive há cinco anos nos Estados Unidos

“De repente a pintura começou a sair, assim, com a maior facilidade,” diz a brasileira Maria Rosário Jardim, engenheira civil que vive há cinco anos nos Estados Unidos.

 A surpresa não foi pequena para a belorizontina que, morando em Lynn, Massachusetts, resolveu trabalhar como voluntária num centro para a terceira-idade em Swampscot.

“Eu cheguei lá e eles tinham mais voluntários do que precisavam,” conta Maria, que resolveu então entrar numa sala onde havia algumas pessoas pintando.

 “Não é uma aula, porque a pessoa que coordena o grupo é escultora, mas ela dá opinião se alguém pedir,” disse Maria. “Eu sentei lá e resolvi começar a pintar e fui pintando, com a maior facilidade, sem nunca ter feito isso antes.” As pessoas em volta começaram a dizer que as pinturas eram boas e quando a notícia correu no meio do grupo do tricô sobre as pinturas da Maria, alguém logo resolveu se oferecer pra fazer o contato com a biblioteca, que já está fazendo a exposição.

Filha do artista Artur Cândido Jardim, Maria diz que sempre teve familiaridade com a arte do pai, mas nunca se interessou por pintura antes. “Projetei e executei muitas obras, mas o trabalho que mais gostei de fazer e no meu entender, o mais importante deles, foi a restauração das colônias de leprosos para a Fundação Hospitalar  de Minas Gerais,” disse. “Foi um projeto visando e embutindo soluções para os problemas sociais daquelas cidades, tornando as colônias auto-sustentáveis.”

Aluna do Commonwealth Seminar, um curso semanal que ensina imigrantes sobre diversas áreas do governo do estado, Maria tem planos: 

“Eu quero aprender sobre as leis e o orçamento do estado de Massachusetts porque pretendo desenvolver projetos auto-suficientes juntamente com as comunidades,” disse.

E enquanto aprende, vai de vento em popa na descoberta da velha arte que viu de perto quando criança. “O que eu acho graça é como vai saindo assim com tanta facilidade,” diz Maria.  “É uma sensação diferente porque eu vejo as outras pessoas pintando e vejo as dificuldades que têm pra poder pintar.”

A coletânea de 30 quadros, incluindo cinco pinturas a óleo, aquarelas e alguns trabalhos em pastel, fica na biblioteca de Lynn até seis de novembro.  Maria espera atrair brasileiros interessados em arte e garante um bônus a mais pra quem se aventurar.

“A biblioteca de Lynn é a coisa mais linda, parece um bolo de casamento. Eu quero ver se ajudo pra que seja mais como um centro cultural com eventos,” disse.

Fonte: (Da redação)