Publicado em 2/11/2008 as 12:00am

Tetos estão sendo "supervalorizados para serem negociados por lucro fácil"

Aproximadamente quinze imigrantes brasileiros, inquilos do condominio Waverly Tenants Association, em Brighton-Massachusetts, terão os aluguéis dos apartamentos reajustados gradualmente

Por Elizabeth Simões

 

Aproximadamente quinze imigrantes brasileiros, inquilos do condominio Waverly Tenants Association, em Brighton-Massachusetts, terão os aluguéis dos apartamentos reajustados gradualmente. Conforme Alex Papali, do movimento “Mass Alliance of HUD Tenants”, a venda do condomino, em agosto de 2008, para a AIMCO implicou numa transação comercial, com a finalidade de obter lucro com a reforma e a posterior revenda dos prédios, ignorando o destino dos atuais moradores de baixa-renda.

 

A maioria dos residentes do Waverly Tenants Association fazem parte do programa do governo que subsidia a moradia de pessoas em dificuldades financeiras, e, com a venda do condominio, “os aumentos podem atingir até três vezes o valor atual”, diz Alex. Com base em sua justificativa, “o primeiro proprietário contraiu um mortage de 2.7 mi e vendeu para AIMCO por 19, equivalente a 176,000 por unidade, e agora, a adminstradora estaria planejando aumentar o aluguel para oferecer uma carteira de clientes mais lucrativa e repassá-la para o próximo comprador a um preço supervalorizado”.  

 

Para atingir essa meta, a administradora inicialmente deverá executar algumas obras que qualifiquem os apartamentos num patamar de classe média alta ou de luxo, “por exemplo, instalando máquinas de lavar e secar dentro de cada unidade”, comentou Alex. “Essa seleção de pessoas elitizadas já está acontecendo agora, quando nós olhamos para o estacionamento da Waverly, encontramos BMW’s e outros carros caros, que não existiam antes da venda”, disse Alex.

 

A solução para impedir a exclusão dos moradores de baixo poder aquisitivo, seria a aprovação de lei “Boston Home” pela Câmara dos representantes do Estado. “Kevin Honan, Michael Moran e Mark Ciammo”, foram os nomes citados por Alex, como sendo alguns dos responsáveis pela jurisdição da área Boston/Brighton, e acrescentou, “até agora eles não permitiram a votação dessa lei. A casa é a base de toda família, por isso, nós precisamos impor regras para as pessoas não fazerem delas um comércio livre! ”.

 

Economia Frágil – “Os residentes não são mais clientes, eles tornaram-se produtos ”, disse Alex ao revelar que a AIMCO possui 240,000 apartamentos comprados e negociados nessas mesmas condições, contribuindo com a retração da economia, pois o alto preço da subsistência afeta o poder de compra daqueles que permanecem, apesar das altas despesas. E, aqueles que não conseguirem arcar com o aumento serão forçados a esvaziarem os cômodos, dando passagem para os construtores que aguardam pela reforma dos apartamentos vagos – que em breve, serão ocupados pelos novos, privilegiados, residentes de Brighton.

 

A adminstradora AIMCO, não foi localizada até o fechamento dessa edição. Para mais informações sobre as próximas manifestações e reuniões, ligar para (617) 267-2949.

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times )