Publicado em 18/11/2008 as 12:00am

Treinamento revela mais problemas de saúde

O 11° treinamento sobre os perigos dos produtos químicos usados na limpeza de casas e escritórios, promovido pela Cooperativa Vida Verde sábado último, expôs mais problemas de saúde causados pelo uso de produtos químicos

 

O 11° treinamento sobre os perigos dos produtos químicos usados na limpeza de casas e escritórios, promovido pela Cooperativa Vida Verde sábado último, expôs mais problemas de saúde causados pelo uso de produtos químicos. É o caso de Felizângela Duarte,que mora em Worcester e trabalha no ramo desde 2000. “Há quase um ano que eu me sinto mal”, diz. “Minha garganta é seca, a pele coça, não sinto gosto de nada que como, meu cabelo está caindo, tenho tonteira e falta de ar e fui parar na emergéncia do hospital. A médica me recomendou Dove (sabonete) para a pele, e passou uns comprimidos porque a coceira me deixa louca. O remédio me desmonta, mas alivia por um tempo. No sábado e domingo, que não trabalho, passo melhor, mas na segunda começa tudo de novo. Estou vendo a hora de morrer”. Felizângela teve de fazer cateterismo devido a falta de ar, que os médicos diagnosticaram como problemas de coração, “mesmo assim já voltei no hospital cinco vezes”.

A brasileira diz que “andava de bobeira”, sem querer parar com os produtos químicos, até que sentiu “o drama”. O impulso grande foi dado pelo programa Planeta Brazil que há uma semana mostrou o trabalho da Cooperativa de Mulheres Vida Verde. “Eu entrei no site de vocês e telefonei para pedir informações, me falaram no treinamento, ensinaram a fazer os produtos (naturais) e eu já comecei a usar. Vou fazer um pedido e comprar mais produtos”. Felizangela mora nos Estados Unidos há 15 anos – no Brasil ela era dona-de-casa - e trabalhou cozinhando na rede Wendy e entregando jornal, mas os problemas de saúde só aparecerem, diz, quando começou a fazer faxina.

Não menos problemas de saúde tem Tereza Soares da Silva, que no Brasil trabalhava em supermercado mas passou a limpar casa quando mudou-se do Espírito Santo para Brighton quatro anos atrás. O problema dela é principalmente Bleach e Wyndex. “Meus olhos ardem demais, ficam vermelhos e irritados e tem uma carne crescendo em cima do olho”. Teresa vai marcar consulta no médico mas ainda não decidiu se vai usar os produtos naturais.

Para Érica da Rocha, uma das cooperativadas, os treinamentos são muito importantes, principalmente, para incentivar a eliminação dos produtos químicos. “As pessoas não fazem a decisão de parar de usar químico, não acreditam que (os produtos naturais) limpam, são resistentes e não conseguem mudar. Eu até falei durante o treinamento que a princípio a gente tem resistência mas depois de um mês ou dois usando os produtos naturais, já se percebe a diferença. Erica disse que uma das treinandas comentou sobre o uso da “bomba”, uma mistura de produtos químicos que se faz na casa dos clients. “É mesmo uma bomba, capaz de matar alguém”, frisou. Ela também acrescentou que durante os treinamentos sente-se que as mulheres estão interessadas em participar da
cooperativa mas a Vida Verde não está ceitando novos membros. “Estamos aqui paa ajudar, mesmo que não possam fazer parte desta Cooperativa, uma das nossas funções é dar apoio a quem quiser formar um novo grupo. Afinal, cooperatives como a nossa ajudam não só à pessoa mas também ao meio-ambiente”.

Para mais informações sobre a Vida Verde e os produtos naturais de limpeza e próximos treinamentos lique para 617-787-0557 ramail 14 ou acesse a página do Grupo Mulher Brasileia www.verdeamarelo.org.

 

Fonte: (Grupo Mulher Brasileira)