Publicado em 15/12/2008 as 12:00am

Patrulha de fronteira fica mais rígida

Gastos sem precedentes em infra-estrutura, tecnologia e milhares de agentes são a estratégia com a qual o governo federal pretende reduzir o número de imigrantes ilegais

Gastos sem precedentes em infra-estrutura, tecnologia e milhares de agentes são a estratégia com a qual o governo federal pretende reduzir o número de imigrantes ilegais cruzando a fronteira do México com os EUA. No movimentado setor de Tucson, que compreende um terço da fronteira entre os dois países, 317 mil imigrantes foram detidos no ano fiscal de 2008. A cifra representa 378 mil a menos do que no ano passado e 35% a menos do que há quatro anos.

Uma pesquisa recente realizada pelo governo mexicano, mostra que cerca de oito entre cada mil mexicanos, deixaram o país para viver fora, entre fevereiro e maio deste ano, o que representa uma queda de 42% em relação ao mesmo período de 2006.

Em 2006, informa o estudo, 1,2 milhão de mexicanos deixaram o país, em comparação a 814 mil, em 2007.

A queda está diretamente relacionada ao aumento do sistema de segurança e da infra-estrutura na fronteira, segundo agentes de imigração.

Por outro lado, é praticamente consenso que a retração da economia norte-americana tem destruído o sonho de milhares de potenciais imigrantes. Para aqueles que vivem nas proximidades da fronteira, no entanto, a queda nos números começou muito antes da recessão. Começou, na verdade, com o muro. “Agora você tem que andar por umas oito horas até encontrar uma brecha. Quando eu estiver mais descansada, vou tentar outra vez”, diz Maria de los Angeles, 45, que foi pega tentando cruzar a fronteira, e mandada de volta praa Nogales, no México.

No ano passado, o congresso destinou $1,2 bilhão para a construção de 670 milhas de muros, que cobrem cerca de um terço da fronteira com o México.

Críticos da iniciativa afirmam que o muro apenas serviu para criar uma indústria bilioná-ria de traficantes de pessoas, conhecidos como coiotes, que agora cobram preços mais altos “O que o muro fez foi transferir o movimento de imigrantes das áreas urbanas para as áreas rurais, onde é muito mais perigoso, onde eles matam uns aos outros. Eles apenas mudaram de lugar. Foi tudo o que o muro fez. Também criou uma indústria onde os coiotes ganham muito dinheiro. Quem antes faria a travessia pelo deserto sozinho, agora tem que contratar um coiote”, diz Tony Estrada, xerife do condado de Santa Cruz.

Fonte: (Gazeta News)