Publicado em 13/01/2009 as 12:00am

"Pum" salva brasileiro da imigração

Um fato inusitado aconteceu na noite de quinta-feira (08), na cidade de Medford, em Massachusetts. Um brasileiro praticamente ficou livre das mãos dos agentes da ICE soltando um 'pum'

Um fato inusitado aconteceu na noite de quinta-feira (08), na cidade de Medford, em Massachusetts. Um brasileiro praticamente ficou livre das mãos dos agentes do Immigration and Customs Enforcement-ICE soltando um pum. “Você quis dizer vários”, corrige o amigo A.S., que estava como ele na hora da batida.

Serão usadas apenas as iniciais dos nomes, para evitar constrangimento, tanto para quem relatou a história, por telefone, ao jornal Brazilian Times, quanto para o protagonista deste hilariante caso que poderia ter terminado com deportação.

Segundo A.S., que mora neste país desde 1992, por volta das 20 horas do dia 8, agentes do serviço de Imigração dos Estados Unidos, entraram no apartamento onde moravam ele e mais três brasileiros, sendo três de Governador Valadares e um de Alpercata, ambas as cidades em Minas Gerais.

Conforme conta A.S., os oficiais solicitaram documento de todos que estavam no local e também colheram impressões digitais. “Ficamos apreensivos, pois não sabíamos o que poderia acontecer”, fala salientando que foi então que os policiais dirigiram-se à E.S., 24 anos, de Alpercata, o qual “talvez por medo”, começou a peidar diante do agente.

A.S. conta que apesar do clima tenso, todos passaram a rir, inclusive os agentes que diziam ao brasileiro “você está podre e precisa procurar urgente um hospital”. “Neste momento o clima ficou mais leve, mas mesmo assim os “puns” continuaram a sair”, fala o mineiro rindo da situação. “Vocês precisavam ver a cara do meu amigo quando ele soltou o primeiro pum diante do agente”, acrescenta.

Duas pessoas que moravam no apartamento foram levadas pelos oficiais, juntamente com outras duas do apartamento de cima. Todas estavam com problemas na Côrte e já tinham ordem de deportação. Os demais apenas receberam uma carta estipulando o prazo para deixar o país. Os agentes permaneceram no local, das 22 horas até à meia-noite, “mas na realidade não foi o pum que livrou o brasileiro da deportação. Apenas tornou o clima tenso mais tranquilo”. E.S. recebeu a carta por não ter nenhum registro contra ele nos arquivos.

A equipe de reportagem do jornal Brazilian Times tentou conversar com o responsável pela “comédia”, mas não obteve êxito.

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times )