Publicado em 19/01/2009 as 12:00am

Caso Alexim Moving - Prejudicados analisam procedimentos

Na manhã de sábado, 17 de Janeiro, aproximadamente 50 brasileiros com problemas relativos a envios de caixas para o Brasil voltaram a se reunir na sede da Assistência Total Brasileira, em Quincy ? Massachusetts

Por Marcelo Zicker

 

Na manhã de sábado, 17 de Janeiro, aproximadamente 50 brasileiros com problemas relativos a envios de caixas para o Brasil voltaram a se reunir na sede da Assistência Total Brasileira, em Quincy – Massachusetts. A Alexim Moving, empresa algoz da grande maioria que estava ali presente, voltava a ser pauta de muitas perguntas e indagações aos advogados convidados.

 

O questionamento central de toda a reunião foi em cima de uma simples pergunta : Qual o melhor procedimento a ser adotado contra a empresa? Qual será o mais eficaz e rápido ?

Levando em conta prós e contras de cada medida, cada brasileiro pode escutar as opiniões e conselhos do advogado Charles Kelly e da representante do Consumer Rights Protection,  Joanne M. Dalabon.

 

Alternativas

 

Em suma, os prejudicados tem 3 escolhas. Uma delas , e somente para aqueles que tiveram um prejuízo abaixo de $2.000 , é entrar com uma ação de pequenas causas na Côrte. Outra é fazer uma reclamação por escrito e assinada para o Consumer Rights Protection que irá avaliar o caso individualmente e, então informar o reclamante de como se efetuará o processo. Por último, e possivelmente mais eficaz, é a contratação de um advogado para entrar com uma ação judicial coletiva, de todos os lesados contra a empresa. 

 

Esperança que permanece

 

 

Embora abalados , muitos dos brasileiros vítimas do descaso da Alexim Moving , se mostram otimistas com a recuperação de suas caixas. Mesmo confusos com que atitude tomar, alguns afirmam que ‘irão até o fim’ para recuperar muito mais do que objetos de valor material, mas artigos que representam toda uma vida de luta e batalha em terras norte-americanas. A cearense Damiana Souza,  que mandou 2 caixas, no valor aproximado de $2.500 , está otimista e afirma que não vai desistir. “ Eles deveriam divulgar os números das caixas que estão retidas. Pelo menos colaborar, ter o bom senso. Como não estão agindo dessa maneira, vamos ter que acionar a justiça” opina. Mesmo mantendo a esperança de conseguir as caixas, ela diz não acreditar que o dinheiro investido na transação vai  ser reavido. “ Mas não importa, quero só as minhas caixas de volta!’ desabafa a moradora de Everett – MA.

 

Outro que espera ansioso pela resolução do problema é Roberto Pavione, que atualmente vive em Brockton – MA, mas que teve problemas com a empresa enquanto residia na Flórida. Ele diz não ter dúvida que a melhor escolha é a ação em conjunto, com um processo judicial coletivo. “ É o que me parece mais sensato a se fazer.  Vamos avaliar a possibidade de contratar o advogado que está aqui presente. Na próxima reunião, teremos a definição disso”  afirma.

 

Cliente de longa data da empresa, o paulista Marcelo Franco  se diz surpreso pelo atraso de sua última caixa. Com quase um ano de ‘envio’, ele afirma que o mais importante é a união desse grupo de prejudicados, e que agir em conjunto é muito mais eficiente do que agir individualmente. “ Há mais de 6 anos mando caixas pela Alexim Moving. Foram mais de 10 e essa foi a primeira que me trouxe problemas. Mandei em Maio do ano passado e até hoje não obtive respostas da empresa” testemunha.

 

Já a mineira Rejane Ferreira de Waltham – MA, foi pela primeira ao encontro.  Ela mostrava-se inconsolável pelas 4 caixas enviadas em Agosto de 2008. Mesmo com toda a tristeza, afirmou que não irá desistir. “ Infelismente vamos ter que tomar uma medida extrema como essa, as coisas poderiam ser muito mais fáceis, mas não sobraram alternativas”.

 

Custos dos procedimentos

 

O procedimento judicial com o a intervenção de um advogado tem seus custos. Além da porcentagem a ser dada ao advogado em caso de uma sentença favorável e seus honorários, ( a ser definida pelo juiz antes do processo iniciar) , o mecanismo conta com taxas da côrte entre outras despesas.

O advogado Charles Kelly, se botou a disposição para pegar o processo, caso a  escolha por um procedimento coletivo seja definido.

A reclamação diretamente pelo Consumer Rights Protection é gratuita, mas normalmente tem resolução lenta e demorada.

Os prejudicados decidirão no dia 28 de Fevereiro, qual caminho será tomado.

 

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times )