Publicado em 4/02/2009 as 12:00am

Má alimentação é causa de doenças em brasileiros nos EUA

Ricas em gordura e açúcares, as refeições 'Fast Foods' são um grande inimigo da vida saudável. Devido ao seu baixo custo e ao ritmo acelerado de vida de muitos imigrantes que vivem no país, elas são adotadas no dia-a-dia do brasileiro, colocando a sua s

Uma das premissas básicas de qualquer rotina saudável, do compromisso com o próprio bem-estar, é o cuidado com a alimentação. Infelismente, para o brasileiro que reside nos EUA, essa preocupação não é muito levada em consideração. As refeições básicas, porém balanceadas, como um simples prato de arroz, feijão, salada, e alguma carne, são preteridas em nome da rapidez e do acessível preço de sanduíches, batatas fritas e refrigerantes de algumas das várias cadeias de Fast Food que assolam todo o país.

 

 

Risco à vida

 

O risco à saúde é eminente, atesta especialistas. Para o médico brasileiro Marconi Abreu, que reside em Fall River – Massachusetts, o descuido com a alimentação pode acarretar doenças crônicas como Diabetes e Hiper-Tensão Arterial. “A predisposição  genética potencializada pela dieta não-saudável, gera  essas enfermidades que tem aparecido com cada mais frequência entre os meus pacientes. Aqui comemos, routinamente, tudo de ruim que se comia no Brasil, como ‘feijoada’, ‘feijão tropeiro’, ‘picanha’, além da  infinidade de comida do tipo ‘Fast Food’ disponivel também” exemplifica o médico. Para Marconi, mais do que uma doença que persistirá até a vida daquela pessoa, as chances do enfermo desencadear  enfarto e derrame são aumentadas de 2 a 4 vezes. “  A diabetes, por exemplo, é também a principal responsável  por casos de cegueira, amputação (perda dos dedos, pés ou perna), e a falência dos rins, que acarreta a necessidade do procedimento de  ‘dialisis’. Esse problema é ainda pior em minorias como a brasileira, portuguesa, e a hispânica que,  devido a um acesso menor ao sistema de saúde ,  e do escasso acesso à informação, tornam o tratamento dessa doença mais complicado do que poderia ser. É uma enfermidade perfeitamente controlável em diagnósticos no estágio inicial do problema” explica.

 

 

‘Crendices populares’ geram diagnóstico tardio

 

           

Para o doutor Marconi, um dos grandes problemas no tratamento é devido ao ‘jeitinho brasileiro’  de querer resolver o problema. “O brasileiro é cheio de ‘crendices populares’ que somente atrapalham suas chances de se tratar corretamente. Pensamentos  como “tenho açucar alto, nao tenho diabetes”, “tenho diabetes, mas eu trato com dieta e chá” , “ Quando meu açúcar está alto eu sinto logo e ai evito açucar e ele abaixa”, “meu medico adora me entupir de comprimidos que eu não preciso”, “Se eu começar a tomar insulina será pra o resto da vida”, são grandes inimigos do controle da doença. O paciente precisa se conscientizar que o que está em jogo são os seus olhos, suas pernas, seu coração, seus rins e seu cérebro e se voce tiver um derrame ou precisar de amputar uma perna não será o médico que ficara na cama o resto da sua vida” alerta. O médico vai além na discussão. “Quantos amigos e parentes brasileiros, que ouvimos falar  que tiveram infarte aos 40 anos, e morreram aos 50? Na minha opinião esse “medo” de descobrir algo errado com voce e a resistência a tomar remédio da população brasileira é a grande razão pela qual  os brasileiros morrem mais cedo que os americanos” afirma Marconi que formou pela Universidade Federal da Bahia em 2002 e concluiu que residência em clínica médica pela University of Connecticut em 2007. Ele tem um consultório situado em Fall River, cujo telefone é (508) – 235-5445.

 

 

Entenda a diabetes

 

A Diabetess é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de energia do organismo, mas quando em excesso, pode trazer várias complicações à saúde.

Quando não tratada adequadamente, causa doenças tais como infarto do coração, derrame cerebral, insuficiência renal, problemas visuais e lesões de difícil cicatrização, dentre outras complicações.

Embora ainda não haja uma cura definitiva para o Diabetes, há vários tratamentos disponíveis que, quando seguidos de forma regular, proporcionam saúde e qualidade de vida para o paciente portador.

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times )