Publicado em 10/02/2009 as 12:00am

Final feliz para o americano que lutava pela guarda do filho no Brasil

"Foi uma sensação maravilhosa", disse David Goldman, ao abraçar o filho Sean, depois de quatro anos e meio

Acabou com final feliz a história do americano David Goldman: depois de quatro anos e meio lutando na justiça para rever o filho, Sean, que havia sido levado para o Brasil pela mãe, a carioca Bruna Bianchi Carneiro Ribeiro, o pai finalmente pôde abraçar o garoto, hoje com oito anos. “Foi a sensação mais maravilhosa desde o nascimento de Sean”, descreveu David Goldman, depois de uma visita ao filho, que hoje vive com os avós maternos.

O pesadelo do americano começou com o inesperado término de seu casamento com a brasileira, em 1999. Bruna e o filho do casal, na época com 4 anos, foram ao Rio de Janeiro visitar a família dela, mas jamais voltaram para os Estados Unidos. Ela divorciou-se unilateralmente na justiça brasileira e, apesar de uma corte em New Jersey ter determinado o seu retorno para uma audiência sobre a guarda do garoto (que é americano), isso jamais aconteceu.

Anos mais tarde, casou-se com o advogado da área de família, João Paulo Lins e Silva. O que veio a seguir foi uma guerra nos tribunais, que obscureceu as leis internationais e o bom senso. David jamais conseguiu rever o filho e poucas vezes chegou a falar com ele pelo telefone. “Quando procurei a Justiça para resolver o problema, me tornei inimigo da família Bianchi”, ressaltou o americano. O caso ganhou proporções ainda mais dramáticas com a morte de Bruna, em agosto do ano passado. Desde então, a luta para reaver o filho se intensificou, enquanto o padastro entrava com uma ação de retirada do sobrenome Goldman dos registros de Sean. Mas a angústia acabou, pelo menos em parte.

Acompanhado do deputado americano Chris Smith, republicano de New Jersey, David reencontrou seu filho. “Depois de tanto tempo eu pude abraçá-lo, para dizer o quanto o amo e que senti muitas saudades. Como foi bom estar com ele”, disse o pai, emocionado e segurando o choro. Ele não tinha certeza, depois de tudo o que aconteceu, qual seria a reação de Sean ou mesmo se o garoto iria lembrar dele. Mas tudo transcorreu da melhor forma possível. “Eu estava esperando o pior, mas foi lindo. Ele me perguntou porque demorei tanto para visitá-lo”, revelou David, que aproveitou a oportunidade para jogar basquete e nadar com o filho. Novas visitas estavam agendadas para esta semana.

De acordo com especialistas, o americano, eventualmente, vai ganhar definitivamente a guarda do filho, de acordo com as leis internacionais. “Ninguém pode tirar uma criança de um país e escondê-la em outro. Não há dúvidas de que este caso deverá ser julgado em uma corte de new jersey”, afirmou Susan Filan, acrescentando que o Lins e Silva, que casou com Bruna, não tem qualquer direito legal sobre a criança. Mas até que David volte para os Estados Unidos com a criança pode demorar algum tempo.

Fonte: (acheiUSA)