Publicado em 13/02/2009 as 12:00am

Policiais das cidades de Framingham e Everett esclarecem polêmicas

Chefes de polícia conversaram ao vivo com audiência brasileira na rádio WSRO, no programa do radialista Ilton Lisboa

 

Por Elizabeth Simões

 

Antes mesmo de dois minutos de show, período em que os oficiais ainda estavam iniciando as suas apresentações ao vivo, os telefones da emissora de rádio WSRO 650 AM começaram a soar sem intervalo. O chefe de polícia Steven Carl e o tenente Paul Shastany, da polícia de Framingham, e também, os representantes da cidade de Everett, o chefe de polícia Steven Mazzie e o detetive Stephen Hurley foram convidados do radialista Ilton Lisboa para uma coletiva aberta com os ouvintes.

Em conjunto, todos anunciaram a disponibilidade para receber os brasileiros, independente do status imigratório e reconheceram o crescimento populacional da colônia nas cidades desde 1999, um fator que motivou a contratação de policiais bilíngues e incentivou o aprendizado básico do idioma. Como exemplo desse interesse pela comunicação com os brasileiros, ao apresentar-se aos ouvintes, Stephen Hurley fez as suas saudações em português.

Steven Carl justificou que o objetivo dessa aproximação e da presença no programa de rádio mediado por Ilton Lisboa era a de esclarecer o papel da força policial. “Estamos aqui para dizer quem somos, o que fazemos e o que não podemos fazer”, resumiu Carl.

O chefe de polícia de Framingham também encorajou o entrosamento dos brasileiros no combate ao crime, “Liguem, denunciem as práticas ilegais e observem a sua vizinhança, façam parte da segurança comunitária”. Ele destacou que a responsabilidade da polícia é a de promover serviços de proteção e não tem a pretensão de conduzir uma investigação imigratória.

 

DÚVIDAS

No decorrer do programa foram respondidas perguntas sobre barulho, penalidades de trânsito e principalmente a respeito da forma como os oficiais tratam o motorista durante uma blitz de rotina. Numa das ligações o ouvinte, que preferiu não identificar-se, queixou-se de que sem haver nenhuma razão aparente, um policial apontou-lhe uma arma. Conforme o relato, ele foi abordado no carro e sentiu-se intimidado pelo comportamento hostil do oficial, “Ele disse que meus faróis estavam apagados e aplicou uma multa, mas eu não fiz nada de errado”, defendeu-se.

Paul Shastany preferiu não analisar o caso, pois assegurou que trata-se de uma questão da qual as duas versões devem ser escutadas. “Quando alguém tiver uma reclamação, eu recomendo que procure o departamento de polícia da região para formalizar a queixa, só assim nós poderemos apurar a situação”, instruiu o tenente.

 

SEGURANÇA DE EVERETT

A cidade de Everett mantém baixos índices gerais de criminalidade, porém as ocorrências de violência doméstica estão de fora dessas estatísticas, segundo um balanço feito por Steven Mazzie, combater esse crime ainda é um desafio para o departamento de polícia. Mazzie atribuiu o aumento dos casos a possibilidade de insatisfaçao com o cenário econômico atual, “Estamos numa fase de muito desemprego, o estresse causado em algumas pessoas acaba facilitando o consumo de álcool, tornando o clima vulnerável aos conflitos domésticos”, argumentou o chefe de polícia.

Mazzie também disse que esse problema é evidente em todas as etnias. Ele recomendou que as vítimas de violência doméstica procurem o departamento de polícia para buscar apoio, e recordou que existem policiais bilíngues em Everett para assistênciá-las.

O jornalista Beto Moraes, integrante do O Jornal questionou sobre a intensificação das atividades policiais após às 10 horas da noite na Broadway, em Everett. O jornalista referiu-se a região como “árvore de natal”, e complementou, “é assim que os brasileiros chamam, pois todas as luzes das patrulhas são acesas na mesma hora”, disse.

O termo “árvore de natal” causou algumas risadas discretas provocadas pela metáfora e principalmente pela concordância. “Nós também temos o nosso próprio meio de definir a Broadway, nós chamamos de Rota 99. É verdade, redobramos a atenção pois essa é considerada uma artéria de Evertt, é uma porta de entrada que conecta ao grande tráfego de Boston. Por isso gera os dois maiores problemas, que são: o trânsito e o estacionamento desses grande fluxo de veículos”, disse Mazzie.

Para obter mais informações ou denunciar crimes, o departamento de polícia de Framingham está localizado no 1 William Welch Way - telefone (508) 872-1212. Em Everett, no 45 Elm Street - telefone (617) 389-2120.

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times )