Publicado em 16/02/2009 as 12:00am

Brasileiro de Burlington- MA morre mas salva muitas outras vidas

Fernando Eduardo Utuari, de 41 anos, natural de Barretos, SP, sofreu um derrame há cerca de tres semanas. Ele morava em Burlington (MA) e trabalhava na empresa de equipamentos pesados NECC

Fernando Eduardo Utuari, de 41 anos, natural de Barretos, SP, sofreu um derrame há cerca de tres semanas. Ele morava em Burlington (MA) e trabalhava na empresa de equipamentos pesados NECC. Fernando estava finalizando o trabalho da madrugada quando sentiu-se mal. Caiu, mas seus colegas logo chamaram o 911. Ao chegar a ambulância, os paramédicos constataram que o caso dele era grave. Foi transportado de helicóptero para o Massachusetts General Hospital (MGH). Operado, não suportou a gravidade do caso. Durante alguns dias, esteve ligado a aparelhos e em coma profundo.  

Seu trabalho era conduzir tratores, máquinas de terraplanagem e de limpeza de ruas. Ele estava nos EUA há 10 anos e seu desejo era logo voltar para o Brasil. De fato, isso aconteceu, mas sòmente parte de seu corpo viajou, tendo chegado ontem, domingo, a Barretos.

Foi decretada a sua morte cerebral no Sábado, 7 de Fevereiro e a família foi acionada, para autorizar a doação dos órgãos. Com os aparelhos desligados, inúmeras  pessoas receberam os órgãos de Fernando. Seu espírito hoje deve estar se sentindo muito elevado, pois seu desejo de ser um doador foi reforçado pela sua família, podendo assim beneficiar inúmeras pessoas com este ato de amor. Foram doados no total 102 orgãos e partes, do corpo de Fernando.

Nossa reportagem entrou em contato com a sua familia, em Barretos, e apurou que duas jovens médicas brasileiras, residentes do MGH, Érica Camargo e Giselle, serviram de mediadoras e de tradutoras com Dona Dalva e Seu Jesus, pais de Fernando, que se prontificaram a autorizar a doação dos órgãos do filho, já que ele era mesmo doador, conforme registrado em sua Driver’s License. “É uma grande perda para nossa família”, disse Dona Dalva. “Eu falava com ele sempre pela webcam, pelo messenger, e jamais podia imaginar que veria meu filho de volta dentro dum caixão. Pelo menos, ele está enterrado aqui”.

Segundo seu amigo Marcos Lievore, a empresa NECC bancou todas as despesas relacionadas ao custo do traslado do corpo de Fernando para Barretos.

A familia agradece ao New England Organ Bank por todo acompanhamento e informações que os proporcionaram neste momento tão delicado em que, mesmo lidando com a dor da despedida, puderam pensar em outras vidas. Lembremo-nos que o corpo não é nada, retorna ao pó de onde veio, mas que certamente o espírito de Fernando está em patamares bem altos, pois sua morte dá a vida e possibilidades de melhoria de vida a muitas outras pessoas. Uma atitude de amor e caridade da sua família, que sua alma leva em paz para o encontro maior com o Magnânimo.

Fernando deixa um filho, Caio, de 4 anos de idade, que mora em Connecticut com a mãe.

 

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times )