Publicado em 15/03/2009 as 12:00am

Marido deixa família e segue para o Iraque

A brasileira Geana Brasheras, de Milford ? MA, teve marido eletricista enviado à base militar do Iraque em oferta da 'união'. A crise e o desemprego foram determinantes na decisão da família em aceitar a proposta

Por Marcelo Zicker

 

 

 

Vivenciando um drama que está virando rotina em muitas famílias americanas, a mineira Geana Brasheras, é somente mais uma a ter um marido enviado ao Iraque. Eletricista da IBEW Company, ou ‘união’, Kevin Brasheras, de 39 anos, viu na oportunidade uma maneira de contornar a crise financeira, e deverá permanecer por mais de um ano no país, trabalhando 7 dias por semana, de 8 a 12 horas por dia, por um período mínimo de um ano.

 

Preocupação 

 

A brasileira não esconde o medo de ter o marido em terras de conflito. “ Sabemos que é uma situação preocupante, uma área com alto risco de vida, mas não temos dúvida que foi a melhor decisão a ser tomada” afirma, demonstrando confiança que tudo saírá bem. Segundo Geana, o marido não teve escolha. “ A ‘união’ disponibilizou a oferta de emprego, e além de conter benefícios muito atrativos financeiramente, era a única possibilidade de ele ser empregado novamente. Kevin era o próximo da fila de espera, e caso negasse, iria para o final da fila, sem previsão para ser chamado novamente” explica a mineira de Governador Valadares, que há 20 anos reside nos EUA.

 

Alta remuneração

 

Um dos grandes atrativos da oportunidade foi a questão salarial. “ Ele vai ganhar $126.000 por ano, sem dedução alguma de taxas. Além de fornecerem todos os benefícios saúde pra ele e para nossos filhos. Era praticamente irrecusável” afirma Geana.

 

Decisão com cautela e coragem

 

Apesar do eminente risco que o marido enfrentará em terras iraquianas, Geana afirma que a decisão do americano em conjunto com a família foi bem pensada e ponderada. “ Sentamos para conversar e discutir, e não deixando a questão emocional predominar , decidimos que o momento econômico do país e a oportunidade de ascendência financeira eram fundamentais para que Kevin  aceitasse a proposta. Trabalhamos nossas mentes para estar em harmonia com o fato, não pensar no pior” afirma. Ainda segundo a mineira, aceitar riscos nunca foi um problema para ela. “ Sair do Brasil há 20 anos com a minha mãe para tentar uma vida melhor nos EUA, foi um grande risco que vivi, e venci. Chegou a hora de outro, tão difícil quanto, mas que esperamos vencer com tranquilidade” afirma Geana, que tem 3 filhos com o americano.

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times )