Publicado em 17/03/2009 as 12:00am

Brasileiros iniciam greve de fome em prisão de Massachusetts

Detidos na penitenciária de Suffolk County ? MA por estarem em situação irregular no país, brasileiros tomam desesperada atitude em busca de respostas mais rápidas da justiça americana

Por Marcelo Zicker

 

 

Na segunda – feira, dia 16, cerca de 27 detentos da penitenciária de Suffolk County em Massachusetts, iniciaram greve de fome em resposta à demora de resolução de seus casos junto à justiça. Segundo os presos, dos quais muitos brasileiros e alguns com mais de um ano de detenção, a permanência na prisão por tanto tempo é injustificável, se levado em consideração que nenhum crime grave foi de fato cometido. Eles reinvidicam deportações mais rápidas e menos burocráticas.

 

 

Líder do movimento é brasileiro

 

Figura central do movimento, o mineiro Christiano Silveira Marisco, foi o primeiro a manifestar a decisão de iniciar a greve de fome. Preso após ser parado numa blitz policial e não possuir Driver’s License de Massachusetts, Christiano foi levado preso pelo policial, que segundo a noiva do mineiro, demonstrou ser  xenófobo e intolerante. “ Ele não precisava ser preso e nem mesmo ter sido questionado sobre sua situação migratória. Mas o policial não pensou da mesma forma, e ele foi detido por um policial que discrimina imigrantes e estrangeiros, e que contactou o ICE” afirma Jenna Lee Williamson, que estava noiva há 5 anos do brasileiro. “ Ele está há quase um mês preso e a imigração não deram nenhuma resposta quanto à situação dele, nem mesmo uma Côrte foi marcada. Ele está agindo de forma a chamar a atenção dessas autoridades, fazê-los tomar uma posição. Meu noivo divide a cela com um brasileiro de 17 anos que está há 15 meses preso e sem ter um resposta acerca da sua deportação. É uma situação desesperadora” opina a americana Jenna.

 

Visita do Cônsul- Adjunto

 

No dia do início da greve de fome, os detentos receberam a visita do Cônsul –Adjunto do Consulado Geral de Boston, Fernando Igreja, que deu explicações do ocorrido ao BT. “ Segundo eu pude verificar, não se tratou exatamente de uma greve de fome e sim de um manifesto de jejum aos procedimentos da ICE e à demora quanto a suas respectivas deportações. Não foi nada grave e a princípio, já está resolvido” afirma o Cônsul, contrapondo o depoimento da noiva de Christiano. “ Inclusive, o jejum já terminou, eles já voltaram atrás no acordo e estão se alimentando normalmente” completa o Cônsul – Adjunto.

 

Planejando o futuro

 

Com a deportação certa do noivo, Jenna não vê saída que não seja planejar a vida a dois em outro país. “ A partir do momento que ele é deportado ele fica proibido de tentar um entrada no país por um prazo mínimo de 10 anos, então vamos ter que refazer nossos planos. Vou para o Brasil em Julho e espero que ano que vem eu consiga realizar meu mestrado no Canadá, e vou levá-lo comigo para comecarmos uma nova vida. Finalmente, legalmente” revela Jenna que pretendia se casar com Christiano ainda esse ano.

 

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times )