Publicado em 3/04/2009 as 12:00am

GMB e MAPS organizam clínica sobre casa prória

"Não pague nada, não assine nada". Estes foram dois dos principais conselhos dos advogados do Greater Boston Legal Service (GBLS) durante a clínica sobre a perda da casa própria para proprietários e inquilinos

 

“Não pague nada, não assine nada”. Estes foram dois dos principais conselhos dos advogados do Greater Boston Legal Service (GBLS) durante a clínica sobre a perda da casa própria para proprietários e inquilinos, promovida pelo Grupo Mulher Brasileira, em parceria com a MAPS. Cerca de 15 pessoas participaram, todas proprietárias cujos imóveis estão sob ameaça de serem tomados pelo banco ou que estão com prestações atrasadas.

Nadine Cohen, advogada líder da Unidade de Direitos dos Consumidores do GBLS, chamou atenção que a melhor proteção que os donos de casa podem ter é conversar com conselheiros de moradia (housing counselors) para entenderem o processo e saberem exatamente o que pode ser feito. Nadine aconselhou também os proprietários a não ignorarem a correspondência enviada pelos bancos ou financiadoras. “Abram todas as cartas que chegam na casa de vocês e, se possível, paguem um pouco da prestação”. Segundo a advogada, alguns bancos não querem receber apenas parte da prestação da casa própria. “O que vocês devem fazer é colocar este dinheiro, que o banco não quer receber, em uma conta separada”.

Embora, o escritório dela não possa pegar todos os casos que chegam para eles, sua equipe está disponível para dar explicações, esclarecer e até dar consultas curtas individuais. Durante a clínica no Grupo Mulher Brasileira, ela e a estudante de advocacia Sarah e outro advogado, David, conversaram com os paticipantes e analisaram alguns dos documentos levados. Todos os três insistiram que ninquém deve pagar por serviços, ninguém deve assinar documento algum, principalmente, se não tiver certeza do que está assinado e ninguém deve deixar de tentar negociar. Eles também chamaram atencão para o fato de que o banco está interessado em reaver seu negócio e as vezes renegocia por juros de até 2%.

Os advogados falaram bastante sobre o Plano Obama, recentemente assinado pelo presidente e que prevê a renegociação da dívida e um modificação nas condições do financiamento. “Isto é muito novo (o plano do Presidente) e não temos certeza como vai funcionar, mas é a melhor coisa que apareceu nos últimos tempos”, disse Nadine. Ela  incentivou todos a conversarem com seus bancos ou fiannciadoras sobre o Plano Obama para a casa própria. Dentro deste plano, explicou Nadine, o financiamento é refeito com juros mais baixos, ou em mais meses e tudo isso reduz o valor da prestação, Ela acrescentou que quem tem dois financiamentos para o mesmo imóvel, so pode modificar um, geralmente o de juros mais elevado. Nadine disse ainda que o financimanto da casa própria não deve representar mais do que 31% da renda da pessoa e cjamou atenção que inquilinos e proprietários de casas sendo tomadas pelo banco nem sempre precisam sair do imóvel.

A Unidade de Direitos dos Consumidores tem clínica toda quarta-feira pela manhã no GNLS, no centro de Boston (197 Friend St.). O Grupo Mulher Brasileira está disposto a fazer outras clínicas ou marcar horário individual com pessoas que precisam entender suas opções antes de tomar qualquer decisão. As pessoas interessadas devem ligar para o GMB, 617-787-0557 ramal 15, e deixar nome e telefone. Se houver procura, haverá outra clínica.

Também para ajudar a comunidade a entender melhor o processo de perda da casa própria e o que pode ser feito, o GMB traduziu para o português um guia intitulado “Informações e Recursos para Prevenção da Tomada do Imóvel”. O documento pode ser baixado no site do Grupo, www.verdeamarelo.org, e achado na seção comunidade/recursos.

Fonte: (Grupo Mulher Brasileira)