Publicado em 7/04/2009 as 12:00am

Brasileiros opinam sobre projeto de representação política - PEC 05

Aprovada em primeira votação na quarta-feira (01), a Proposta de Emenda Constitucional ? PEC 05, que estabelece a criação de novos cargos para deputado federal e senador

 

Por Marcelo Zicker

 

Aprovada em primeira votação na quarta-feira (01),  a Proposta de Emenda Constitucional – PEC 05, que estabelece a criação de novos cargos para deputado federal e senador, os quais terão a função de representar os brasileiros que vivem no exterior, foi tema de muitos comentários e discussões entre a comunidade.

Atualmente, os brasileiros que vivem fora do Brasil podem votar apenas para o cargo de presidente da República, mas com a emenda, os eleitores que vivem no exterior terão também o direito de escolher os seus representantes no Congresso. Esta nova bancada poderá ficar entre quatro a sete represententes na câmara dos deputados.

Qual teria que ser o perfil desse representante? Teria que ser oriundo da comunidade? De que maneira ele atuaria em prol da comunidade?. Essa são algumas das indagações que perpassaram a cabeça do brasileiro que reside nos EUA na última semana. O Brazilian Times entrevistou algumas pessoas com destaque dentro da comunidade, para saber sua respectivas opiniões e expectativas com relação ao perfil dos representantes e  à aprovação do projeto, que antes de ser regulamentado como lei ordinária, precisará ser votado em segundo turno no congresso e seguir para dois turnos de votação na câmera dos deputados.

 

Fausto da rocha –  Diretor-Presidente do Centro do Imigrante Brasileiro

 

“ O candidato terá que ser uma pessoa com profundo conhecimento sobre a comunidade, pois ele será uma voz do imigrante no congresso. E tem que ser conhecido nacionalmente nos EUA,   não somente em Massachusetts.”

 

“ Infelizmente, já existe uma oposição a esse plano entre a opinião pública brasileira, mas confio na aprovação do projeto”

 

 

Ilton lisboa – Radialista

 

“ Os beneficios sao incontaveis, sendo que o mais importante é  oficializar a voz do povo. Agora poderemos levar os anseios da comunidade para quem tem poder de decisão.”

 

“ Até aqui só temos pessoas que se auto-denominam representantes e líderes. A pessoa terá que ter passado, credibilidade e história de vida. Não basta ser conhecido, terá que ser um líder.”

 

 

Heloísa Galvão – Grupo Mulher Brasileira

 

“ Eu sou completamente a favor do projeto, embora acredite que falta maturidade civico-politica à comunidade. Levando em consideração o número de pessoas que moram aqui, o índice de votos para presidente é irrisório e vergonhoso. Podemos até cobrar, mas temos que adquirir consciência política.”

 

  Tem que ser uma pessoa que se identifica com a luta do imigrante, com a experiência de vida dessas pessoas. Sem dúvida deve ser uma pessoa da comunidade”

 

 

Elisa Garibaldi – Assessora Clínica no LCHC

 

“ Ainda é cedo para falar em nomes. Tem muita ‘água pra rolar’ e vai demorar para se concretizar. Porém, o fato de ter sido sido aprovada em primeira votação já é uma grande vitória.”

 

“ O nosso representante terá que ‘transitar nos dois mundos’, ter domínio das línguas e ser , de fato, capacitado. Não é preciso, necessariamente, que seja alguém dentro dentro da comunidade.”

 

 

Valter Vitorino – Empresário

 

“ Vai ser tão bom para os brasileiros daqui quanto para os do Brasil. A comunidade brasileira aqui dos EUA contribui até mesmo para a economia de nosso país. Já pensou quanto de dinheiro mandamos para o Brasil todos os anos ?”

 

“ Precisaríamos realizar uma aliança, mas o ‘pessoal’ é muito desunido, em especial os comerciantes. Meu voto seria para o Álvaro Lima, para mim ele é o mais preparado de Massachusetts.”

 

 

Pablo Maia – Empresário

 

“ Embora ainda tenha que passar por outras votações, o projeto já plantou a semente. É a vitória da semente lançada, do reconhecimento da necessidade de termos um representante”

 

“ O  candidato deve ser da comunidade, deve ter vivido o que a maioria vive. Tem que saber o que é levantar cedo para ‘rapar neve’ , para trabalhar com ‘landscape’, carpintaria, pintura. Tem que ser alguém que já tenha feito algo pela comunidade, e não chegue aqui com  ‘paraquédas de ouro’. Se eu posso ser um candidato em potencial ? De jeito nenhum, eu quero é vender casa!  

 

 

 

Padre Pedro

 

“ É um processo a ser debatido. Precisamos esclarecer os detalhes para a comunidade. É importante que esses representantes tenham história de contribuição para com a comunidade, mas que nunca tenham se utilizado  disso para benefícios pessoais”

 

Ilma Paixão – Ex-presidente da BRAMAS (Brazilian American Association)

 

“A pessoa deve possuir conhecimento político, social e empresarial dos EUA. Acredito que a transformação para a comunidade brasileira se baseia em educação e temos de ter uma pessoa com conhecimento claro da realidade daqui para nos representar.”

 

 

Edirson Paiva Jr – Editor – Chefe do Brazilian Times

 

“ O nosso escolhido deve ser alguém que frequenta os mesmos  ambientes que o seu eleitor frequenta. Tem que ser um espelho da nossa comunidade, uma pessoa que entenda seus anseios e necessidades. Temos que ficar atentos porque vai ter muito lobo vestido em pele de cordeiro.”

 

“ Não existe um perfil pré-determinado. Ele tem que ter compromisso com a comunidade, independente da sua qualificação profissional ou seu histórico político.”

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times )