Publicado em 13/04/2009 as 12:00am

Sob críticas, deputada volta atrás em projeto pró-imigrante

A deputada estadual Pam Richardson, que criou polêmica ao apoiar projeto de lei que daria direito de voto à imigrantes indocumentados, volta atrás e diz que irá 'rever conceitos'

 

Por Marcelo Zicker



Apoiado pela deputada estadual por Massachusetts, Pam Richardson, um projeto de lei que daria direito de voto para imigrantes indocumentados, está causando muita polêmica entre os opositores dos imigrantes. Na terça-feira , dia 12, Richardson declarou estar recebendo muitos emais e ligações, das quais ‘90% são contra a proposta’. Por isso, ela declarou estar revendo ‘suas posições e conceitos’.

Segundo a deputada, o direito ao voto poderia ajudar a unir a comunidade imigrante, em particular a comunidade brasileira. “ Meu objetivo é sempre tentar criar uma ponte entre a comunidade imigrante e a comunidade de Framingham - MA. Esse projeto se encaixaria nesse conceito” disse ela ao jornal MetroWestDailyNews. “ Apesar de eu achar que tenho grandes aliados com relação à minha posição no assunto, acho improvável que esse assunto seja discutido na convenção do partido democrata” continua, deixando escapar que as constantes manifestações contrárias já estão surtindo efeitos.

Em prol da causa imigrante

Se posicionando a favor da causa imigrante, Richardson declara que ela se preocupa com políticas que causem maior sentimento de cidadania e respeito ao imigrante . “ Eu acredito que falte um ambiente com mais respeito e dignidade para os indocumentados. E não me sinto confortável com isso, estou ativamente olhando uma maneira de mudar essa situação” explica.

Apoio à proposta

Em janeiro, o deputado Byron Rushing, propôs a criação de uma lei que daria direito a imigrantes acima dos 18 anos, de votar para eleições municipais. À época, ele recebeu o apoio de muitos colegas, entre eles a deputada Pam Richardson. Alguns brasileiros se mostraram otimistas com a oportunidade. “ É um voto de confiança, uma maneira de inserir o imigrante dentro da sociedade. Acho muito válido e sendo parte desse grupo, eu apoio completamente” afirma Urbano Santos, um dos fundadores da BRAMAS ( Brazilian American Association) e que tem grande relação com a comunidade brasileira de Framingham – MA. “ Numa crise econômica, onde milhares de americanos estão desempregados, é natural que se crie um sentimento anti-imigrante. Leis como essa ajudam a valorizar a nossa classe, nos dar um voto de confiança” completa Urbano. Além de Urbano, outros brasileiros se mostraram esperançosos com a aprovação da nova lei. “ Isso já é um primeiro passo para a reforma imigratória. Estão falando que ela vai sair ainda esse ano, agora é esperar” afirma Vagner Assis, um catarinense de 26 anos que espera ser um dos brasileiros indocumentados a serem beneficiados com a lei do voto. “ Se já podemos votar, poderemos cobrar para termos direito a outras ‘coisas’ também” opina Vagner. O brasileiro ,que trabalha no setor de construção civil, avista um novo futuro com a sua legalização. “ É mais fácil ‘dar documento’ para todo mundo. Todo mundo vai pagar impostos e vai ajudar nessa crise. Esse projeto de lei que dará direito ao voto já é um indício que tudo está caminhando para acontecer a favor da gente” completa, esperançoso.

Fonte: (ABTN)