Publicado em 24/04/2009 as 12:00am

Pastora acusada de estupro tem 60 dias para deixar o país

A pastora Ana Paula Almeida, que foi acusada de estuprar, durante dois anos, uma jovem de apenas 16 anos em Milford ? MA, foi setenciada a deixar o país até o dia 22 de Junho

 

Acusada de estuprar, durante dois anos, uma jovem de apenas 16 anos em Milford - MA, a pastora Ana Paula Almeida foi setenciada na quarta – feira, dia 23, a deixar os Estados Unidos em no máximo 60 dias. Caso ela não saia voluntariamente do país, ela terá sua carta de deportação expedida, segundo Susan Eastwood, a porta-voz do U.S. Justice Department's Executive Office for Immigration Review.

“ Uns podem dizer que ela está apenas deixando o país. Já outros podem dizer que ela está fugindo” disse o chefe de polícia de Milford –MA, Thomas O'Loughlin, cujo departamento foi o responsável pela prisão da pastora em Fevereiro.

A advogada de Ana Paula, Rosanne Milano, declinou em comentar o caso, afirmando que sua cliente requisitou que não fosse dada nenhuma declaração para a mídia.

A data final para a permanência da pastora é o dia 22 de junho e caso não cumpra o prazo, ela será impossibilitada de entrar no país por 10 anos ou mais. A porta-voz ainda afirmou que ainda não se sabe quanto tempo a brasileira ficará proibida de entrar no país mesmo em um retorno voluntário.

 

Entenda a história


Segundo publicado no The Boston Globe, a polícia de Milford disse que Ana Paula teria começado a molestar sexualmente a garota, membro do grupo jovem da igreja, quando esta tinha apenas 14 anos. De acordo com o jornal brasileiro A Notícia, a pastora foi presa em casa na manhã da quinta-feira (12). Segundo o porta-voz da promotoria de Worcester, Timothy Connolly, pesam sobre Ana Paula uma acusação de estupro estatutário (contra uma criança de 14 anos) e quatro acusações de ataque indecente e de tocar a adolescente de maneira ofensiva.

Segundo a polícia, os pais da garota foram com ela efetuar a denúncia. A menina, atualmente com 16 anos, teria sido abusada sexualmente 11 vezes pela pastora. A investigação vai agora entrevistar outras meninas do grupo jovem, segundo o Chefe de Polícia Thomas O’Loughlin.

Fonte: (Da redação)