Publicado em 29/04/2009 as 12:00am

Brasileiros opinam sobre Marcha Pró-imigrante do dia 1 de Maio

No dia 1º de maio, dezenas de grupos defensores dos direitos de imigrantes irão se unir para realizar uma manifestação nacional, que reivindicará a igualdade entre direitos sociais e humanos

No dia 1º de maio, dezenas de grupos defensores dos direitos de imigrantes irão se unir para realizar uma manifestação nacional, que reivindicará a igualdade entre direitos sociais e humanos, respeito à dignidade do trabalhador imigrante e um projeto federal de reforma imigratória. A marcha, que acontece anualmente em todo o país, tem dividido opiniões entre a comunidade brasileira. O BT conversou com alguns desses brasileiros para esclarecer seus pontos de vista e chamar a atenção para mais um movimento em favor da classe imigrante




“Cada brasileiro tem que ser um ativista e trazer mais pessoas para a manifestação”, Fausto da Rocha, diretor do Centro do Imigrante Brasileiro.


“Acho muito válido. O imigrante, que representa a força do trabalho desse país, deve valorizar esse dia e participar, porém sempre com organização. Se meus funcionários quiserem ir, vou incentivar!”, Lúcia Tavares, empresária do setor de restaurante, natural de Avaré – SP, moradora de Somerville – MA


“ Eu vou fechar a minha loja no dia e ir para a marcha. Se queremos ver algum resultado, temos que participar. Aqui é o país da democracia, ações como essa tem bons resultados” Marcellino Breguez, comerciante de pássaros, natural de Governador Valadares – MG, morador de Somerville – MA.



“ Não acho que a marcha consiga mudar muita coisa. Mas, agora com o novo presidente, é possível que ‘dê em alguma coisa’. Laila Gonçalves, atendente de restaurante, natural de Mantena – MG, moradora de Somerville – MA.


“ Nada funciona sob pressão. Manifestações como essa podem causa o efeito contrário, ainda mais em tempos de crise. É um momento impróprio” Julian César, profissional do setor de construção civil, natural de Londrina – PR, há somente um ano em Massachusetts.



“ É um boicote, porque muita gente vai deixar de trabalhar e isso surte efeitos, chama a atenção. Eu estou pensando seriamente em ir” Andreza Priscila, artista, natural de Belo Horizonte – MG, residente há muitos anos de Massachusetts

Fonte: (Da redação)