Publicado em 1/05/2009 as 12:00am

ESPECIAL - O Brasil sob a farda americana - 5ª Parte

Atuando no setor de operação de máquinas do exército americano, o mineiro Marlon Scagnolato, de apenas 19 anos, fez do alistamento a oportunidade para descobrir a carreira dos seus sonhos



Por Marcelo Zicker

 

Se passaram 6 anos desde que o jovem Marlon Scagnolato, deixou a pequena Sete Lagoas, localizada próxima à capital mineira Belo Horizonte, para recomeçar a vida, juntamente com sua família,  em território norte-americano.

 

Após conquistar a tal sonhada legalidade no país e se alistar nas forças armadas do país, ele se viu diante da possibilidade de fazer do alistamento a via de acesso à ascensão profissional. Hoje ele é um dos engenheiros do 379th Engineers Co / MOS  21E: Heavy Equipment Operator,  setor de operação de máquinas do orgão.

 

Objetivando uma carreira de sucesso

 

Segundo Marlon, o objetivo desde que chegou sempre foi se estabelecer no país. “ Eu vim com minha família com o intuito de estudar, fazer uma carreira por aqui, me legalizar. Após conseguirmos nossa regularização migratória, descobri que meu trabalho na época ( na rede de lanchonetes Dunkin Donuts) não ia ser suficiente para pagar uma faculdade” conta. Assim que soube dos beneficios ao defender às forças armadas, não teve dúvidas que o alistamento era a oportunidade perfeita. “  Depois de formado da High School, eu tinha que tomar um decisão de como alcançar meu sonho.  Um dia cheguei em casa e dei a notícia pra minha familia, afirmando que havia me alistado. Foi um choque muito grande pra todos, tanto para minha familia aqui, quanto para a do Brasil, mas certamente todos apoiaram minha decisão pois perceberam o quanto que aquilo poderia me ajudar” conta.

 

“ O Exército foi um meio não somente para defender o país militarmente, mas também para descobrir a profissão que me acompanhará na minha trajetória civil ”

 

 

Oportunidades acadêmicas

 

Antes de adentrar a universidade, ele aguarda uma missão para o Afeganistão programada para 2010. “Logo após a minha volta, como um veterano de Guerra,  minhas oportunidades e beneficios serão ainda maiores, e então irei adentrar o curso de Engenharia” afirma.

 

 

 

 

O serviço militar encurtando o caminho para a cidadania (BOX)

 

Para muitos, entrar no serviço militar é um caminho de obter a cidadania e trazer membros da família para viver nos Estados Unidos. O "The Immigrations and Nationality Act", fornece regras especiais de elegibilidade para membros do serviço militar que procuram a cidadania.
A Seção 328 da "INA" se aplica a todos os membros das Forças Armadas. A cidadania pode ser solicitada sob essa seção se um residente permanente legal, que serviu a farda por pelo menos um ano,  entrar com  o processo de naturalização dentro de seis meses depois da dispensa.
A Seção 329 aplica-se para membros que servem ativamente (Guarda Nacional inclusive) durante períodos de conflitos. Isto inclui o período desde 11 de setembro de 2001 até agora.
Procurar a naturalização pode ser difícil para um civil, mas como membro das Forças Armadas, as responsabilidades vão além da vida de um civil.
O Governo compreende as exigências extras e responsabilidades colocadas sobres membros do serviço militar e criou uma fonte se assistência e ajuda no processo de naturalização, uma linha direta com as respostas sobre imigração e benefícios e que é administrada pelo "U.S. Citizens and Immigrations Service".
Essa linha direta ajudará a checar as aplicações e petições, notificar o USCIS sobre as informações, trazer o esposo (a), noivo (o), ou criança adotiva para os Estados Unidos entre outros serviços.

 

 

 

 

 

Benefícios de vestir a farda (BOX)

Entre alguns dos benefícios em pertencer* à Guarda Nacional Americana estão  : 
 
- Rápido processo de obtenção de cidadania e sem custos de taxas 
- Remunerações bônus que chegam à até $20 mil dólares por ano,  dependendo da posição 

- Treinamento remunerado em mais de 200 posições
- Plano de saúde e aposentadoria
- 100% do  College pago  
- Respeito frente à sociedade americana
 

 

* Os critérios mínimos para aplicação é possuir residência permanente ( Green Card) e ter entre 17 à 34 anos de idade.

Informações (BOX)

Para quem quiser mais informações acerca da aplicação para a Guarda Nacional Americana e tirar eventuais dúvidas sobre o processo, pode contactar o brasileiro Odilon  Rodrigues, que também veste a farda dos EUA e já teve sua história relatada no BT em matéria veiculada no dia 6 de Março de 2009. O telefone de contato é (617) 967 – 2666.

Fonte: (ABTN - Agência Brazilian Times de Notícias)