Publicado em 4/05/2009 as 12:00am

Manifestação de imigrantes em Boston - MA

1º de Maio, celebração do dia do trabalho em vários países, exceto nos EUA, foi comemorado em Boston com a passeata anual. Centenas de pessoas compareceram, porém ela foi inferior aos anos anteriores


Por Elisabeth Simoes

   

A largada organizada para a marcha imigrante foi na Liberty Plaza, em Central Square, em East Boston-Massachusetts. Centenas de imigrantes percorreram as ruas das cidades de Chelsea até chegarem ao Glendale Park, em Everett, local de maior concentração dos brasileiros nas comemorações do dia primeiro de maio.

 

No Glendale Park, antes das comissões sociais em defesa dos direitos imigrantes iniciarem os discursos, o pastor brasileiro, Emidio Martins fez uma oração. Jessenia Alfaro e Gabriel Camacho, representantes das comunidades latinas e hispanas conduziram o ato manifestante.

 

Camacho é ativista da associação pró-imigrante, chamada Centro Presente, e em 2008 encabeçou a campanha No-Match Letter, que defendeu medidas contra a demissão de trabalhadores indocumentados. Ele falou sobre direitos humanos para a multidão, “Precisamos ser tratados com respeito e dignidade. Queremos uma Reforma Imigratória justa e não apenas novos programas de trabalho, precisamos de residência permanente. Não somos máquina, nem mão de obra barata”, disse Camacho.

 

Após depoimentos de alguns estudantes estimulando a procura pelo ensino superior e educando sobre a possibilidade de ingresso de indocumentados nas universidades, o senador Anthony Galluccio posicionou-se para discursar, porém o microfone e o megafone não funcionaram. Mesmo sem amplificadores, ele elevou a voz em improviso. “Os Estados Unidos foi construído por imigrantes e continuará sendo. Tenho fé que o país irá reconhecer o esforço e o trabalho de todos”, disse Galluccio.

 

Galluccio citou suas origens italianas e assegurou o seu interesse em prol dos imigrantes. Embora ele tenha tido dificuldades com o aparelho de som, depois de encerrar, sua mensagem foi aplaudida e, logo após, os microfones voltaram a funcionar.         

 

A aglomeração no Glendale Park foi menor do que outras manifestações realizadas nos anos anteriores. A garoa e os rumores de contagio da gripe suína foram alguns prováveis motivos que possam ter tornado a comemoração pequena em 2009. “Recebi ligações de ouvintes com medo de contrair a gripe suína, com receio de batidas policiais e violência. Não consigo entender como muitos tem coragem de dirigir sem carteira de motorista ou atravessar o México andando, mas não conseguem apenas juntar-se nessa caminhada. Eu respondia para os ouvintes que os covardes não precisavam de desculpas”, disse José Bravo, comentarista do programa de rádio Com Você, executado na rádio 1.230 AM .

 

Sob uma outra avaliação, o estadunidense, Richard Willian, simpatizante do movimento, comentou que preferiu manter distância. “A maioria dos participantes são Mexicanos, por isso pertencem a um grupo de risco de contagio da doença, pois podem ter tido contato com familiares no México ou recebido alguma visita deles recentemente”, ponderou Willian.

 

Apenas um lado da calçada foi ocupada pelos manifestantes e o trânsito correu com poucas interrupções. Ao longo do percurso, placas e faixas exigiam iniciativas do Governo Obama a favor da inclusão de programas familiares, igualdade dos direitos dos trabalhadores e anistia.

 

Comente essa matéria através do e-mail: elizabeth.journalist@gmail.com

 

Fonte: (ABTN - Agência Brazilian Times de Notícias)