Publicado em 11/05/2009 as 12:00am

EUA negam visto para pais de brasileiro agredido por `pitboys`

Felipe Soares continua na UTI e Wilkison foi liberado e se recupera na casa de uma amiga

 


 

O caso envolvendo os dois lutadores de jiu-jtsu, Yuri Debs, Bruno da Costa, 23 anos, e Diego Santos, 23 anos, continua em foco na mídia norte-americana e comunidade brasileira. Uma das vítimas dos ditos “pitboys” continua em coma e a família, no Brasil, luta para conseguir liberação para entrar neste país. Felipe Soares, 24, e Wilkison de Oliveira, 28, foram brutalmente espancados pelos dois lutadores que já foram presos e liberados mediante pagamento de fiança estipulada pela Corte de Chelsea no valor de $2,500.00. Felipe permanece em coma e Wilkison sofreu fraturas na mandíbula e tem dificuldades para falar.

Hoje estará acontecendo a Corte dos três agressores, que estão sendo apontados por grande maioria da comunidade de “covardes e monstros”. Em um telefone anônimo, a redação do jornal Brazilian Times ficou sabendo de que um parente de Diego, que mora no Brasil e é advogado, o aconselhou  a tentar sair do país antes do seu julgamento. O lutador é do Rio de Janeiro, mas tem parentes em Minas Gerais.

A pessoa, que não quiz se identificar disse que já presenciou outras atitudes hostis por parte de Diego.

Segundo o blog Brazil com Z, do jornalista Eduardo de Oliveira, os pais de Felipe (que ficou em coma) tiveram o visto negado pela segunda vez. O cunhado de Felipe, Bruno Rodrigues Inário, o escritório do senador democrata por Massachusetts, Edward Kennedy, intercedeu junto ao consulado no Rio de Janeiro. “Mesmo assim o pedido foi negado”, comenta salientando que ninguém sabe qual a razão.

Inácio disse ao blog, que está fazendo companhia para sua esposa, irmã de Felipe e isso pode fazer com que ele perca o emprego. “Estou entre a cruz e a espada, pois não posso deixar minha esposa sozinha nesta horá, mas também preciso do emprego”, continua.

Segundo ele, Felipe já abriu os olhos, mas poderá ter graves sequelas por conta deste espancamento. “Durante um exame em que o médico enfia uma agulha na perna, ficou claro que Felipe está perdendo a sensibilidade”, se emociona ao comentar a cena. “Mas ele mexeu as pernas e isso nos tranquilizou”, fala.

Ele conta que Soares chegou aos Estados Unidos quando tinha 13 anos de idade e que, com o tempo, conseguiu dominar o idioma inglês. “Mas durante seu tratamento ele não consegue responder às perguntas feitas nesta língua, parace ter esquecido o que aprendeu”, relata o cunhado.

A outra vítima, Wilkison, sofreu 3 fraturas na mandíbula, mas ja foi liberado do Whidden Memorial Hospital, em Everett, e está se recuperando na casa de uma amiga. Os dois brasileiros precisarão passar por exercícios para recuperar a fala plena.

Nenhum dos agressores foi encontrado para falar sobre o caso.

 

Fonte: (Da redação)