Publicado em 20/05/2009 as 12:00am

Administração Obama impõe sistema para aumentar deportações

O governo de Barack Obama está expandindo um programa iniciado na época de George Bush, que vai checar o status de todas as pessoas detidas nas prisões

 

O governo de Barack Obama está expandindo um programa iniciado na época de George Bush, que vai checar o status de todas as pessoas detidas nas prisões. Nos próximos quatro anos, a medida poderá resultar num aumento considerável no número de imigrantes acusados de crimes e identificados para deportação.

As autoridades esperam apontar os imigrantes que estejam em situação de deportação imediata através da rechecagem das impressões digitais. Os presos que estão detidos em cárceres federais e estaduais já são documentados, porém por total falta de tempo do ICE, os que se encontram em prisões locais, que em geral agrupam duas vezes mais de imigrantes ilegais, deixam de ser checados.

Esse programa visa atender a pedidos de líderes democráticos no Congresso, que sugerem que o ICE aja em cima dos imigrantes que cometem crimes, ao invés dos que são trabalhadores e se comportam de acordo com as leis.

Recentemente, a Secretária do Departamento do Interior (Homeland Security), Janet Napolitano, deixou bem claro em seus discursos que a sua prioridade é em deportar imigrantes ilegais que tenham cometido crimes.

O programa começou a funcionar como piloto em outubro do ano passado e opera em 48 condados no país, incluindo o famoso Fairfax County. De acordo com o ICE, somente no ano de 2009 serão levantadas mais de um milhão de impressões digitais (fingerprints), nas cidades de Dallas, Houston, Miami, Boston, Los Angeles e Phoenix, expandindo-se para todas as prisões locais até o final de 2012.

O ICE estima que se fossem feitas impressões digitais dos 14 milhões de meliantes que dão entrada nas prisões todo ano, pelo menos 1.4 milhão (10%) de “criminosos” seriam encontrados. Com essa contabilidade, o ICE estima que encontrará dez vezes mais criminosos dos que foram deportados no ano passado. São 3200 prisões locais e 1200 federais e estaduais.

Na proposta que fez ao Congresso para o ano de 2010, de conseguir $200 milhões de dólares no orçamento para o programa, chamado de “Comunidades Seguras”, o presidente Obama na verdade está de olho em mais de $1 bilhão para utilizar em 2013.

O deputado republicano Lamar Smith, do Texas, apressou-se logo a comentar que “Se o governo abandona as obrigações de deportar imigrantes ilegais e somente focalizar em expulsar daqui os criminosos, o que de fato estará fazendo é uma anistia para os milhões de ilegais que já existem aqui e facilitando a entrada de mais imigrantes ilegais no país”.

Ele disse que a administração Obama deveria terminar a construção da cerca na fronteira, reforçar as leis na contratação de imigrantes ilegais e deportar a todos, antes que cometam mais crimes.

Mas, na opinião de observadores brasileiros, leitores assíduos deste jornal, o que a América está de fato querendo saber é “Quantos imigrantes ilegais detidos são de fato criminosos”? E acham, também, que (os imigrantes ilegais) continuarão a ser parados por pequenas infrações de trânsito, colocando-os na fila de deportação, mesmo que tenham vivido e trabalhado aqui por mais de 10 anos.

Fonte: (Da redação)