Publicado em 27/05/2009 as 12:00am

Dono da Express Moving Internacional rebate acusações

Em resposta às acusações realizadas pelo fundador da Adonai Moving, Antônio Galvan, o empresário Moacir Santana diz que argentino agiu com leviandade e mentira nas denúncias

Em mais um episódio envolvendo a relação entre Express Moving International, a falência da Adonai Moving e o desentendimento entre os sócios das empresas, o empresário Moacir Santana resolveu 'retrucar' as acusações proferidas pelo fundador da Adonai Moving, Antônio Galvan, de que ele faria parte de uma 'quadrilha de estelionários profissionais, que estaria enganando milhares de brasileiros'.


Moacir diz que não está surpreso com as recentes declarações de Galvan. “ Sempre escutei de todos que 'Seu Antônio' era uma pessoa louca, desequilibrada emocionalmente e que fantasiava demais as coisas'. Não por acaso desfizemos nossa sociedade” completa.



Desentendimentos com sócios


Após 6 anos de serviços prestados à Confiança Moving como um dos gerentes regionais, Moacir Santana, foi convidado pelos ex-colegas de trabalho na empresa, Paulo Pepe e Antônio Galvan, para fazer parte de um novo empreendimento. “ Eles estavam fundando a Adonai Moving e me chamaram para ser um dos gerentes. Pelo 'know-how' que ambos aparentavam ter, achei que poderia ser um bom redimensionamento na minha carreira” afirma. Após o início da empresa, permeada com promessas de compensações financeiras aos funcionários, vieram os desentendimentos. “ Eles afirmavam que dariam 20% dos lucros totais aos gerentes, mas foi tudo 'balela', 'papo furado'. São uns mentirosos” afirma Santana com respeito à administração de Pepe e Galvan.


Retomada profissional e nova sociedade com Galvan


Após atuar como o responsável pela Adonai na Flórida, ele resolveu redimensionar a carreira : Montar a sua própria empresa, chamando curiosamente Antônio Galvan para dividir a administração do negócio. “ Resolvi abrir a Express Moving International para trazer moralidade para o mercado, realizar um trabalho competente e ético. Infelizmente, acreditei que seria possível confiar no 'Senhor Antônio novamente, mas mais uma vez me decepcionei” conta, afirmando que Galvan não cumpriu os investimentos prometidos. “ Ele prometeu investir na empresa, injetar certo capital, e não cumpriu. Sendo sincero ele não contribuiu nada com o crescimento da Express Moving International, era apenas um sanguessuga. Recebia salário e nada fazia” confidencia.


Dívida


Sobre acordo financeiro para a desvinculação do argentino com a empresa, Moacir diz que a justiça irá resolver o caso. “ Ficou combinado um plano de pagamento em parcelas mensais, mas não é justo. Ele não contribuiu para nada, como deve receber?” relata. “ Vou entrar com uma ação exigindo que esse laço seja cancelado, pois não acho um acordo justo” afirma, deixando escapar que não continuará pagando o que foi definido no acordo.


Exemplo negativo



Procurado pela equipe de reportagem do Brazilian Times, Antônio Pepe disse que a atitude de Moacir já era esperada. “ Bandido sempre tem uma justificativa, mas o que interessa mesmo é que tenho a documentação que prova o que digo. Um fato como esse é importante para a sociedade ter conhecimento sobre que tipo de pessoas tem gerenciado esse mercado e denegrido a imagem do segmento” respondeu Galvan , em entrevista nessa terça-feira.


Fonte: (ABTN)