Publicado em 1/06/2009 as 12:00am

Grupo brasileiro redige documento reivindicatório à Obama

Setenta e cinco organizações pró-imigrantes nos Estados Unidos estão realizando pequenas reuniões com a finalidade de elaborar um documento reivindicatório que será enviado no final de Junho

 

Por Elizabeth Simoes

 

Setenta e cinco organizações pró-imigrantes nos Estados Unidos estão realizando pequenas reuniões com a finalidade de elaborar um documento reivindicatório que será enviado no final de Junho para Washingthon-DC, endereçado ao presidente Barack Obama. No encontro agendado no sábado (30), na Igreja St. Anthony, em Allston/Brighton-MA, o ativista social da comunidade hispana Gabriel Camacho, representante do Centro Presente, recordou as conseqüências causadas pelas leis fomentadas nas reformas imigratórias de 86 e 1996.

Conforme Camacho, revisar o vigor dessas leis ajuda a compreender como elas limitaram os direitos dos imigrantes e afetaram a qualidade de vida deles. O propósito final dessa avaliação é levantar todos os problemas atuais que elas provocaram e listá-los devidamente num instrumento formal.

Esses tópicos, a serem incluídos no documento, pleiteiam assuntos como educação, saúde, teto, carreira, além de outros. “Não devemos focar apenas na anistia e permitir que o direito de certos grupos ou de novos imigrantes sejam cerceados”, disse Camacho.

A ativista social Elisa Garibaldi e os membros das organizações Job and Justice e do Centro do Imigrante, Edwin Argueta e Fausto da Rocha, afiliados a The National Alliance of Latin and Caribbean Communities (NALCC), colaboraram com a realização do encontro. “Nunca foi falado em público sobre os contras da lei 297-B que concedeu residência permanente para milhares de imigrantes. Essa mesma lei gerou a match letter, forçando a criação do mercado negro de falsificação de números sociais. O mercado de trabalho foi tremendamente restringido para os imigrantes, os salários foram barateados e muitos foram ameaçados pelos empregadores. Por isso é fundamental exigir uma reforma completa, com atenção ao trabalho, reunificação das famílias, além da regulamentação justa e rápida para todos”, disse Edwin Argueta.

Camacho acrescentou que a mesma lei ainda desqualificou benefícios federais dos indocumentados. “Não se esqueçam de que o Green card não é o mais importante”, ele reforçou.

Depois de inteirar os participantes sobre o processo político imigratório e explicar o planejamento da NALCC, para pressionar o governo norte-americano, os participantes foram divididos em dois grupos para elaborar parte da pauta que irá compor os interesses no estado de Massachusetts. O capítulo irá integrar ao documento nacional de reivindicação.

Um grupo foi direcionado à sala chamada São Marcos e o outro para à São Lucas, confira no quadro, o resumo das principais medidas que eles vão solicitar ao governo, na tentativa de que elas sejam adotadas para a próxima Reforma Imigratória.


Comente essa matéria, escreva para elizabeth.journalist@gmail.com

Fonte: (ABTN - Agência Brazilian Times de Notícias)