Publicado em 6/07/2009 as 12:00am

Três brasileiros estavam em incêndio que matou 6 em Londres

Três brasileiros estavam entre as vítimas de um incêndio que matou seis pessoas em um prédio no sul de Londres no dia 3 de julho, sexta feira

 

Três brasileiros estavam entre as vítimas de um incêndio que matou seis pessoas em um prédio no sul de Londres no dia 3 de julho, sexta feira. A polícia londrina confirmou que Dayana Francisquini Cervi, 26, e o filho dela, Felipe, 3, estavam entre os mortos. Segundo a família, uma garota ainda não-identificada é a filha dela, Thaís.

            Outras três pessoas morreram no incidente, incluindo uma bebê de três meses e a mãe dela. A sexta vítima era uma mulher de 31 anos.

            O fogo atingiu o bloco de edifícios de Lakanal House, no bairro de Camberwell, sul de Londres. As chamas se iniciaram por volta das 16h10 (horário local) e se alastraram por sete andares.

            Cerca de 30 pessoas foram resgatadas. Metade delas foi levada ao hospital com dificuldades de respirar por conta da fumaça.

 

            Angústia

            Impedidos pelos bombeiros de entrar no edifício em chamas, parentes dos que ficaram presos em suas casas no momento da tragédia aguardavam notícias. Entre eles estava Rafael Cervi, 31, marido de Dayana e pai de Felipe e Thaís. Rafael ainda conseguiu falar com Dayana pouco antes da morte dela, quando se trancara junto com os filhos para se proteger da fumaça.

 

            "Ela estava calma porque não queria assustar as crianças. Ela estava com uma voz triste, estava tentando permanecer no controle", afirmou Rafael, em declarações reproduzidas pela imprensa britânica. "As crianças estavam quietas, em silêncio. Foi a última vez que falei com ela."

            No sábado à noite, Rafael estava "inconsolável", na descrição dos diários. "Eles eram toda a minha vida. Agora tudo está perdido e eu não tenho nada."

 

            Investigações

            A polícia disse que Dayana e Felipe morreram no hospital, e que a garota ainda não identificada, que pode ser Thaís, foi confirmada morta na cena do incidente.

            O irmão de Dayana, Renato Francisquini, que mora em Londres, disse à BBC Brasil que a família quer repatriar os corpos para o Brasil o mais cedo possível. Mas isso dependerá das investigações da polícia. "Depende da causa da morte. Se tiver sido por causa da fumaça, eles disseram que os corpos são liberados mais rápido", disse Renato.

            Segundo o irmão, Dayana e Renato viviam na Grã-Bretanha há cinco anos. Ela e os parentes da família Francisquini, com o passaporte italiano; ele, com o brasileiro, mas prestes a receber a residência definitiva, disse Renato. De acordo com o irmão, a grande presença da família em Londres ajuda nesse momento difícil. "A gente tem muitos familiares aqui, então eles estão ajudando a gente. Tem primos que estão ajudando, conversando com os policiais, com os bombeiros, com um monte de gente. Todo mundo ajuda com o que pode."

 

            Repercussão

            O incêndio teve grande repercussão na imprensa britânica. A pressão é para que as autoridades expliquem por que o fogo se alastrou tão rapidamente. A polícia está examinando as rotas de escape e as medidas de prevenção de incêndios para tentar estabelecer as causas do incêndio. Flores e mensagens de condolências foram deixadas por vizinhos em frente ao prédio residencial. Em luto pelas vítimas, a subprefeitura de Southwark, onde fica o bairro de Camberwell, baixou suas bandeiras a meio pau.

Fonte: (ABTN - Agência Brazilian Times de Notícias)