Publicado em 15/07/2009 as 12:00am

Catarinense morre afogado em Stoneham - MA

Um catarinense que vivia na cidade de Dorchester morreu vítima de afogamento no domingo (12), em um lago na cidade de Stoneham-Massachusetts

 

Um catarinense que vivia na cidade de Dorchester morreu vítima de afogamento no domingo (12), em um lago na cidade de Stoneham-Massachusetts. Conforme as informações obtidas, Edmilson Mafinski Valsechi, 27 anos, estava pescando com um grupo de amigos quando decidiu nadar um pouco. Logo depois ele mergulhou e não retornou mais à superfície.

Ao perceber que algo estava errado, um dos amigos acionou o 911 e o grupo de resgate chegou ao local do afogamento 15 minutos depois da chamada. Após o corpo do brasileiro ser encontrado, foi realizado os primeiros socorros, durante o trajeto até o Wnchester Hospital, no sentido de Edmilson recobrasse a consciência, mas ele permaneceu inconsciente e foi dado como morto. No boletim de ocorrência consta que o corpo do catarinense foi retirado da água sem pulsação.

Este é o segundo afogamento registrado nas imediações, nos últimos meses e o chefe do Corpo de Bombeiro, Joseph Rolli disse que o Departamento de Conservation and Recreation-DCR precisa melhorar o patrulhamento na área. “Estarei entrando em contato com o DCR para encontrar algum tipo de patrulhamento que resolva o problema. Dois afogamentos em um ano é muito para mim”, fala.

O Spot Pond, lado onde o brasileiro morreu afogado, serve como uma reserva de suplemento de água para Boston e havia sido fechado com uma cerca, mas foi reaberto, 1m 1999, para uso limitado à recreação de barcos. Como algumas pessoas desconhecem a lei, usam o local para nadar. “Cabe ao DCR fiscalizar e evitar que isso aconteça”, salientou o chefe dos bombeiros.

Rooli salienta que o DCR precisa fazer algo para impedir que outras tragédias aconteçam e que “mais placas devem ser espalhadas sinalizando a proibição de natação na região”. O chefe acrescenta que depois que a cerca foi retirada sete afogamentos foram registrados, mas nos 25 anos anterior apenas dois foram anotados.

Antes do brasileiro, um hondurenho de 23 anos, havia se afogado no local, no dia 28 de abril. Marvin Umazor estava nadando e se afastou de dois amigos que estavam com ele.

Nos dois casos citados, as autoridades do Distrito de Middlesex afirmam que as vítimas não sabiam que estavam descumprindo as leis e nem tinha bebida alcóolica envolvida nas histórias.

Segundo o jornal Diário Catarinense a família de Edmilson mora no bairro Próspera, na cidade de Criciúma, e que possuem poucas informações sobre o acontecido. O noticioso informa, ainda, que uma tia do brasileiro estaria cuidando do processo de translado do corpo ao Brasil. Mas o corpo ainda deve passar por uma série de exames, nesta quarta-feira (15) para saber as causas do afogamento.

Edmilson é o terceiro de quatro irmãos da família Valsechi e o último contato que ele teve com seus parentes foi feito uma semana antes do afogamento, quando ligou para sua mãe. O Catarinense mantinha contato, via internet, com seus irmãos.

Fonte: (Da redação)