Publicado em 12/08/2009 as 12:00am

Brasileira tenta vencer tragédia que lhe deixou em coma

Com exclusividade ao BT, ex-namorado e irmã contam o drama vivido por Adriely Matos

 

Em mais um caso que chocou e comoveu toda comunidade brasileira dos EUA, em junho desse ano a goiana Adriely Matos, de 25 anos, sofreu um grave acidente de moto durante um passeio no estado de Maryland. O traumatismo craniano da queda lhe rendeu mais de um mês sob profundo coma. Como forma de tratamento do caso, ela teve metade do crânio retirado e, após retomar a consciência, permanece em intenso tratamento fisioterápico. Com custos do tratamento chegando a 500 dólares por dia, a família de Adriely aguarda a ajuda do governo americano e brasileiro, para seguir com a recuperação da goiana, que atuava como bartender na cidade de Philadelfia – Pennsylvania.


Em entrevista exclusiva à nossa equipe de reportagem, o ex-namorado da brasileira contou do drama vivido. “ Ela sempre foi um exemplo de beleza, determinação, de vontade de vencer. A tragédia vai ser o momento dela demonstrar mais uma vez que pode superar momentos como esse, embora agora eles tenham essa barreira financeira para seguir. Após o término do nosso namoro, continuamos muito amigos e próximos. Estou muito triste com tudo que aconteceu, mas estou otimista que ela vai se recuperar” afirmou o Dj Vinny, que também reside na Philadelfia. Com o intuito de arrecadar fundos que ajudassem no tratamento da ex-namorada, o Dj organizou diversos eventos na cidade, tentando sensibilizar a comunidade brasileira acerca da causa. “ Fiz algumas festas que teriam o lucro revertido para possibilitar a vinda da irmã de Adriely, Micheli, para residir próximo ao hospital de Maryland, onde Adriely ficou internada” conta.


Brasileira morou por 9 anos em Massachusetts


Em sua trajetória nos EUA, Adriely Matos, sempre viveu com a irmã, em Shrewsbury – MA. Após 9 anos residindo no estado, Adriely resolveu mudar. “ 6 meses antes dessa tragédia, ela resolveu ir morar na Pennsylvania. Mas ela sempre morou comigo, sempre fomos muito 'ligadas' uma na outra. Estou tentando superar tudo, mas a dor ainda é muito grande. Ela era muito querida, vaidosa, linda, cativante. Estamos tentando recuperá-la” afirma Micheli Matos.


Dificuldade em trazer pais do Brasil


Com a tragédia , os pais de Adriely e Micheli resolveram visitar o país, para cuidar da filha. Como Adriely estava em situação ilegal no país, de nada adiantou os esforços para que seus pais conseguissem um visto de visita ao país. “ Eles justificaram para os meus pais no dia da entrevista, que a tragédia não era motivo suficiente para eles cederem um visto. Cheguei a ligar para o consulado em Brasília e ouvi a mesma negativa, com o argumento de que o governo já teria fornecido até ajuda demais para ela, que já tinha feito até mais do que deviam , em se tratando de uma imigrante indocumentada. E pior ainda, afirmaram que assim que ela estiver bem , deverá deixar o país por bem ou por mal. Foi muito triste que minha família seja tratada dessa maneira” desabafa Micheli, que contou com a ajuda do senador democrata Barney Kennedy e de congressistas brasileiros. “ O senador Kennedy fez uma carta com o intuito de sensibilizar as autoridades e pediu a concessão do visto para meus pais. Um grupo de 13 deputados brasileiros também fizeram um manifesto reinvidicando essa concessão. Infelismente, ambos os manifestos não resultaram na autorização para meus pais nos visitar. Ainda estamos lutando para que isso se torne realidade” afirma.


Free Care não cobre tratamento


Usufruindo do Free Care do estado de Maryland, Adriely não tem direito a cobertura do tratamento fisioterápico, sendo que a família sofre para pagar os mais de 500 dólares diários de seu tratamento. “ Ela precisa de pelo menos 3 sessões diárias para recuperar os movimentos dos braços e exercitar o cérebro e suas funções. Como não temos condições de arcar com esses valores, o tratamento da minha irmã está suspenso. Durante as sessões ela estava demonstrando ótimo resultados e melhora. Com a interrupção, ela está perdendo os resultados que conseguiu. Ao contrário de antes, nem trocar de roupa ela está conseguindo mais” relata com tristeza.


Ainda sem metade do crânio, Adriely se prepara para a cirurgia de recolocação do membro. “ Dia 26 desse mês ela volta para o hospital. Ainda estamos esperançosos que tudo vai dar certo” afirma Micheli, que cede o seu telefone para interessados em contribuir financeiramente para o tratamento de Adriely. Quem quiser contribuir pode ligar no número ( 508) – 579 - 7959.


Fonte: (Da redação)