Publicado em 14/08/2009 as 12:00am

Mudanças nos planos de Obama não abalam os brasileiros

O presidente Barack Obama concecdeu na sexta-feira (07), uma entrevista para alguns repórteres de língua hispânica e reafirmou que é possivel que aprovar uma ampla reforma imigratória ainda no começou de 2010

   
Por Luciano Sodré

 


O presidente Barack Obama concecdeu na sexta-feira (07), uma entrevista para alguns repórteres de língua hispânica e reafirmou que é possivel que aprovar uma ampla reforma imigratória ainda no começou de 2010. Ele disse ainda que já designou a chefe do Homeland Security, Janet Napolitano, como a pessoa encarregada de discutir os detalhes deste projeto de lei junto ao Congresso.

Mas de um lado está a confiança de Obama, pressionado pelas lideranças hispânicas que o apoiaram nas eleições, e do outro o vice-presidente Joe Biden que não acredita que a reforma possa ser aprovada tão rápido assim. Ele pensa que em meio aos debates sobre a Saúde Pública e a crise financeira, ficará muito difícil que passar, pelo Congresso, o projeto para legalizar os milhões de indocumentados.

 

Mesmo assim maior parte da comunidade brasileira se mostra otimista e acredita que o presidente dos Estados Unidos fará algo pela comunidade imigrantes

Veja o que pensam alguns entrevistados:



 Para o produtor de áudio e vídeo Eduardo Meireles, que vive nos Estados Unidos há oito anos, a reforma será aprovada, mas precisa que os políticos que defendem a causa imigrante tome partido e entre de corpo e alma nesta batalha. “Precisamos que mais e mais pessoas se únam à esta idéia”. Natural de Goiânia-Goiás, ele mora em Ashland-Massachusetts, e e acredita que com a legalização irá gerar um aquecimento na venda de carros novos, fomentar o fluxo no comércio e turismo. “Enfim, todos ganharão com isso”.

 


A housecleaning Carolini Spader, 20, logo no início da entrevista disse que a pergunta é um pouco complicada de responder, pois enquanto alguns defendem os interesses da comunidade imigrante nos Estados Unidos, outros grupos lutam com ferrenhamente conta a aprovação desta reforma imigratória. Para a catarinense de Criciúma que vive em Everett, Massachusetts, ainda existem muitas dúvidas sobre a aprovação deste projeto. Mesmo assim se mostra otimista, mas “ninguém sabe o que se passa na cabeça do presidente”. Carolini viveu nos Estados Unidos entre 2004 e 2007 e depois retornou ao Brasil, mas em 2008 voltou para este país onde vive até os dias atuais.

 


 Mineira de Capitão Andrade, Silvana Pereira é uma das brasileiras que se mostra bastante  anciosa com a aprovação desta reforma. Trabalhando como babysitter em Phyladelphia-Pennsylvania, ela disse que os serviços prestados pelos imigrantes irão melhorar após uma legalziação. “Todos trabalham melhor quando não tem problemas na cabeça”. Vivendo nos Estados Unidos há cinco anos, ela sabe que um dos maiores problemas vivido pelos brasileiros é a saudade dos parentes que estão no Brasil e “esta legalização irá amenizar a dor da distância”.


 

Mineira de Ipatinga, a housecleaner Delma Beltrame Lopes Coutinho, 31, mora nos Estados Unidos há seis anos e acredita que desta vez a reforma será aprovada. “Não sei quais serão os ítens e as exigências deste novo projeto, mas creio quie algo será feito pelo imigrante que ajuda no crescimento deste país”. Para ela, que mora em Malden, sempre deposita a situação nas mãos de Deus e tem fé de quem Ele tocará o coração de quem estiver envolvido nesta mudança nas leis imigratóirias.

 


 A mineira de Governador Valadares, Thais Silva, 17, mesmo com a pouca idade sempre se mostrou interessada nos acontecimentos que cercam a comunidade brasileira. Morando na cidade de Framingham-Massachusetts, ela é está no grupo otimista que acredita que uma reforma imigratória vai acontecer ainda no governo Obama. “Tenho certeza de que o presidente está disposto a ajudar os imigrantes de seu país”. Quanto aos imigrantes que estão querendo ir embora por não acreditar que algo acontecerá, ela aconselha que sejam pacientes e esperem mais um pouco.

 


Agnes Karine da Silva Zeferino, 18 anos, é natural de Ipatinga-Minas Gerais e mora nos Estados Unidos há quatro anos. Assim como maioria dos brasileiros, ela também está “super otimista” sobre a nova reforma. “Eu sou estudante e dependo de documento para continuar os meus estudos”. Ela reclama que os imigrantes sofre com o preconceito nas escolas e tem “certeza de que quando a reforma for aprovada isso mudará”. Agnes disse que os brasileiros que estão com vontade de retornar ao Brasil o melhor caminho é esperar mais um tempo. “Se já ficaram até hoje não custa esperar mais um ano”.

 


 A peruana radicada no Brasil, Gabriela Lins, 20, disse que apesar da maioria acreditar que o presidente fará algo para os imigrantes, ela, particurlamente não acredita que uma reforma aconteça tão rápido. “Penso que primeiro ele irá resolver os problemas que afetam diratemente os cidadãos norte-americanos para depois pensar em beneficiar os imigrantes”.

 



Se você quer comentar a matéria ou quer sua opinião publicada, envie email para op@braziliantimes.com

Fonte: (ABTN - Agência Brazilian Times de Notícias)