Publicado em 16/10/2009 as 12:00am

Brasileiro é escolhido para protagonizar filme americano

Diego Kelman Ajuz participará do filme independente que está sendo produzido em NY

 

O projeto do filme já existia há mais de dois anos. Foram mais de 1.800 candidatos do mundo inteiro para o personagem. Uma semana de testes e o escolhido para viver o detetive americano John Mejia, protagonista no filme Bushwick, foi o brasileiro Diego Kelman Ajuz. “Eu nem acreditei quando me ligaram dizendo que eu passei”. Dentre os candidatos havia atores com vasta experiência em cinema e em peças da Broadway.

O que chamou a atenção da produção para convidar Diego para o teste foi a sua formação, além da vasta experiência do ator em teatro.

No Brasil Diego formou-se em Publicidade pela PUC-RJ, teatro pela UniverCidade, e fez vários cursos com renomados profissionais do meio artístico dentre eles Mauricio Farias (diretor Global), Fabio Barreto (nomeado ao Oscar por O Quatrilho) e Fátima Toledo (preparadora do elenco de Cidade de Deus, Tropa de Elite, Cidade Baixa, entre outros).

Em New York, além de ter sido parte do elenco principal de uma companhia off-Broadway, Diego formou-se pelo Lee Strasberg e fez workshop com Marilyn Fried (preparadora do elenco de O Poderoso Chefão I, II, e III).

Ainda em NY ele trabalhou como professor de dança para a companhia que serviu de inspiração para o filme “Take the Lead”, com Antonio Banderas e para o aclamado documentário “Mad Hot Ballroom”.

Para o ator, a oportunidade de estreiar em uma produção norte-americana o deixou bastante empolgado. “Foi a primeira vez que eu fui chamado para fazer um personagem americano. Fiquei bastante preocupado porque, além da maior exigência com relação ao sotaque, tem a questão da cultura. Mas o diretor enfatizou que John Mejia é filho de imigrantes latinos, o que me deu maior liberdade”.

Além disso, ele acrescentou: “Foi um grande desafio, depois de tantos anos fazendo comédia tive que encarar um clima noir”.

Diego é o único brasileiro no filme, mas a produção é bastante internacional. Yanillys Perez, par romântico do brasileiro é venezuelana-dominicana e mora na França, a diretora de fotografia, Anja Matthes é de Luxemburgo, e o próprio diretor, Luis Landivar, é americano com pai equatoriano e mãe filipina.

As filmagens duraram apenas 10 dias e a carga horária foi bastante intensa. Houve dias em que a equipe ficou no set 17/18 horas. “O trabalho foi bastante puxado, mas muito prazeroso. Eu dormia três ou quarto horas por dia. Acordava de manhã e ia para o set, quando eu via já havia  passado umas 14 horas e eu nem tinha percebido”.

Devido à carga horária intensa, o ator teve que se desvincular de outros compromissos. “Tive que arranjar alguém para me substituir nas aulas e nos shows. Um dos substitutos teve que ir até a filmagem e ensaiar comigo durante o meu intervalo. Eu estava com medo dos alunos ou do público ficar chateado comigo, mas eles entenderam o meu lado. Nenhum artista gosta de cancelar show, isto é contra o princípio da nossa arte. Nós fazemos o que fazemos para o público, sem ele não somos nada. Neste caso eu não tive escolha”, falou e completou “Mas eu fiz questão de que houvesse substituto para todos os meus compromissos".

Com relação à equipe Diego tem só elogios. “Fiquei muito feliz de trabalhar com um diretor como Luis Landivar. É fundamental que você confie no que o diretor quer que você faça e eu confiei nele de olhos fechados. Eu sabia que ele sabia o que estava fazendo e isto é o que importa. Eu gostaria muito de trabalhar com esta mesma equipe de novo no futuro. Foi muito gratificante trabalhar com profissionais como Anja Matthes, diretora de fotografia. O trabalho dela é impecável, e que elenco... Harvey (Kaufman), Yanillys (Perez), Erika (Robel), Edgar (Caraballo). Eu me senti lisonjeado por fazer parte de uma produção como esta”.

Eu estive conversando com diretor Luis Landivar e ele também fez só elogios ao ator. “Era crucial para a historia que o Detetive John Mejia fosse único. Diego é um ator muito talentoso e ele realmente conseguiu dar ao personagem um caráter próprio. Diego Kelman Ajuz é um nome que com certeza você vai ouvir de novo, sua paixão é evidente desde o primeiro momento em que você o vê na telona. Nós trabalharemos com ele de novo. O que faz Bushwick tão fantástico é a realidade e a energia no filme; nós tínhamos que ser verdadeiros no momento”.

O diretor ainda revelou que ele tem dois filmes em desenvolvimento. Um deles, Prague Praga, um filme de ação e alto orçamento, está sendo mostrado para estúdios e investidores. O previsto é que a produção comece em 2010 em locação. A torcida para que o nosso ator brasileiro ganhe um papel neste outro projeto já começou.

Bushwick terá 80 minutos de duração e receberá a classificação R por conter cenas de violência, sexo, nudez parcial e linguagem imprópria. O filme ainda está em fase de pós-produção, mas o teaser já está no ar e pode ser conferido no site www.landvariedinternational.com

Fonte: (Da redação)