Publicado em 19/10/2009 as 12:00am

Estudo sobre comunidade brasileira causa polêmica em MA

A pesquisa foi realizada pela Universidade de Massachusetts e pela fundação Blue Cross Blue Shield, e traça um perfil negativo sobre os brasileiros de Massachusetts. Os dados revelam que 70% da comunidade é indocumentada e quase metade não paga impostos

 

Um recente estudo federal orientado e supervisionado por universidades nos EUA   está causando polêmica por traçar um perfil negativo do imigrante brasileiro. A pesquisa afirma que mais de 70% dos brasileiros que residem no país são indocumentados e que metade não paga impostos.

A ativista Eva Millona da Massachusetts Immigrant and Refugee Advocacy Coalition, organização que defende os direitos dos imigrantes no país, disse que a divulgação do estudo pode alimentar o medo dentro da comunidade e incentivar mais batidas do ICE. “ Os números só revelam como o sistema migratório do país está deficiente e disfuncional. Os brasileiros são parte da força de trabalho dos EUA, estão criando famílias no país e devem ser preservados”a firma Eva. Segundo ela revelou ao jornal MetroWestDailyNews, os números que expõe a ilegalidade da comunidade brasileira só reforçam a necessidade de uma Reforma Imigratória, que regularize o status dos milhões de brasileiros que residem no país.

Além do perfil do brasileiro, o estudo contemplou também a comunidade dominicana,  fazendo um paralelo entre as duas comundiades. Elas foram selecionadas porque representam as duas mais populosas comunidades imigrantes do estado. Pesquisadores disseram que a proposta era elucidar sobre um panorama sócio-econômico e de saúde, e teve o apoio do governador Deval Patrick, que recentemente afirmou estar empenhado em estreitar os laços com a comunidade imigrante do país.

O estudo foi conduzido a partir de entrevistas com  307 brasileiros com status migratório legal e ilegal em Framingham, Marlborough, Somerville e  Everett em 2007. Os números da pesquisa também  revelam outros pontos preocupantes. Apenas 1 em cada 4 brasileiros, fala inglês fluentemente e a cada 10 imigrantes, somente 6 pagam taxes e impostos no país. Além disso, o estudo revela que 75% dos homens e 55% das mulheres brasileiras não possuem Health Insurance. O tópico põe ainda mais fogo na discussão da Reforma da Saúde, que está correndo no congresso americano .

A divulgação desses resultados tem preocupado a comunidade, expondo a ilegalidade e podendo alimentar o sentimento anti-imigrante dentro do país, acreditam alguns ativistas. “ Desde o começo fui contra essa pesquisa. Ela foi mostrada ao corpo diretivo do Centro do Imigrante quando eu ainda fazia parte da instituição e demonstramos nossa desaprovação com  relação à divulgação dessas informações. Acredito que toda pesquisa tem que reverter em algo positivo, o que não acontece com relação a essa, que só traz prejuízos numa época que lutamos por uma reforma imigratória ampla. Achei um absurdo a divulgação desses dados” afirma a médica e ativista comunitária Elisa Garibaldi. Segundo ela, o andamento de uma reforma imigratória e de saúde que favoreça os imigrantes pode ser prejudicada com informações como essas. “ Alguns desses dados são verdadeiros mas não necessariamente devem ser expostos dessa maneira. Pode acirrar sentimentos anti-imigrantes e prejudiciais à nossa comunidade” completa Elisa. Já o diretor da Assistência Total Brasileira, Carlos DaSilva, questiona a credibilidade da pesquisa e o modo como ela foi conduzida. “ Não sabemos qual a veracidade desses dados e muito menos como foi realizada essa pesquisa, qual o perfil das pessoas que foram entrevistadas. Não acredito nesses números e devemos questionar a intenção desse estudo” opina Carlos.  Ele ainda atenta para pontos que foram esquecidos. “ Existem muitos empreendimentos brasileiros, com muitos empresários e negócios bem-sucedidos. Isso não foi citado, bem como a influência disso na economia de cidades como Framingham , Everett e Somerville” salienta o ativista.

A ativista Ilma Paixão afirma que a falta de representatividade entre os brasileiros é um dos grandes problemas da nossa comunidade e diz não concordar com aos pontos levantados pelo estudo. “ Eu tenho orgulho da nossa comunidade e apoio a luta dos brasileiros nesse país. Infelizmente não temos representatividade suficiente, e isso é um dos pontos que me entristece. Acho adivulgação desses dados algo muito prejudicial e pode omitir o fato do brasileiro ser uma importante força de trabalho desse país.” opina Ilma.

Fonte: (Da redação)