Publicado em 15/01/2010 as 12:00am

Legalização geraria $1,5 trilhão para a economia dos EUA

Cálculo foi obtido a partir de estudo publicado pela renomada Universidade da Califórnia em Los Angeles

 

Muito já se falou que a legalização dos cerca de 12 milhões de indocumentados que vivem nos Estados Unidos representaria um impulso à combalida economia americana. Agora, no entanto, esta afirmação ganhou base técnica e científica com um estudo publicado pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). De acordo com o professor Raúl Hinojosa-Ojeda, autor do trabalho, a reforma imigratória poderá aumentar o Pib (soma de todas as riquezas) do país em cerca de 1,5 trilhão de dólares num prazo de 10 anos, não apenas com o pagamento de impostos mas também com a maior circulação de dinheiro em vários setores. De acordo com Hinojosa-Ojeda, um mexicano criado em Chicago, a medida geraria mais empregos e aumentaria os salários.

“Todos seriam beneficiados e a deportação em massa seria um desastre”, garante o estudioso, tomando como base o processo de legalização de 1986 (o Immigration Reform and Control Act), que estimulou a economia dos EUA com a concessão de cidadania a três milhões de indocumentados. No texto ele provou que os imigrantes conseguiram melhores trabalhos, passaram a consumir mais, geraram mais receita fiscal e até impulsionaram novos campos de trabalho. “Na época, a situação econômica das famílias americanas também era difícil”, ressaltou Hinojosa-Ojeda, que vê uma forte ligação entre economia e um sistema imigratório justo.

Como era de se esperar, a tese foi rechaçada por críticos. O porta-voz da Federação Americana para uma Reforma Imigratória (Fair, na sigla em inglês), Ira Mehlman, discorda da ideia do professor da UCLA em relação ao aumento dos salários, por exemplo. “Com mais profissionais no mercado, a tendência é justamente o contrário, ou seja, que os salários caiam”, disse o ativista, sem muita convicção de que os americanos acreditarão na tese de Hinojosa-Ojeda.

Fonte: (www.AcheiUSA.com)