Publicado em 22/01/2010 as 12:00am

Mineiro quer doar coração da mãe para salvar brasileiro

Vítima de uma doença degenerativa e lutando para conseguir um novo coração, o carioca Marcelo Alves é protagonista de uma trajetória de muita esperança e superação. Ainda aguardando para entrar na lista de espera de transplantes de coração do Massachusett

Por Marcelo Zicker

Vítima de uma doença degenerativa e lutando para conseguir um novo coração, o carioca Marcelo Alves é protagonista de uma trajetória de muita esperança e superação. Ainda aguardando para entrar na lista de espera de transplantes de coração do Massachusetts General Hospital, o brasileiro deve ‘viver 1 e meio no máximo, em sua atuação situação’ segundo os médicos. Nessa semana, o mineiro Adelson Daros, revelou que planeja doar o órgão da mãe, falecida na terça- feira( 19),  para o brasileiro e tomará as medidas cabíveis para fazer da tragédia pessoal, um exemplo de solidariedade.  

Marcelo sofre há 8 anos de cardiomiopatia, um enfraquecimento do coração, que está aos poucos minando o resto de seu corpo e que já lhe tirou a fala e a capacidade de caminhar. Em estágio avançado da doença, ele já enfrentou vários procedimentos cirúrgicos, um derrame e convive com marca-passos no coração. “ Ele já está bem debilitado e a cada dia precisa de mais cuidados médicos. O fato dele ser indocumentado parece ser a cruz que ele tem que carregar pra  vencer essa batalha. Ainda está passando por exames e não pode realizar a cirurgia porque ainda não está na lista de espera. Estamos fazendo o possível e o impossível para manter as esperanças” afirma sua esposa Elisabeth.

Sensibilizado com o caso de Marcelo e tentando superar a perda da sua mãe, Adelson Daros, de Framingham – MA, anunciou que pretende doar os órgãos, sendo o coração destinado à salvar a vida de Marcelo. A mãe do mineiro, Alexandrina Maria Daros, de 67 anos, não resistiu a uma queda na escada de casa na terça – feira, e morreu horas depois já no hospital.  “ Pelo ‘tamanho do coração’ da minha mãe, a gente sabia que o que mais ela queria é que a partir de uma tragédia como essa, ela pudesse ajudar alguém. É isso que estamos tentando fazer, fazer da nossa dor, a alegria de outras pessoas, que podem recomeçar suas vidas” justifica Adelson. Ele, que mora há 22 anos nos EUA, estava recebendo a visita da mãe, que ficaria no país até o dia 2 de fevereiro. “ Como muitas vezes anteriores, ela só passava férias aqui. Não esperava que ela pudesse morrer tão de repente e imprevisilvemente. Estamos em choque ainda” confidencia ele, que leu em reportagem no BT o episódio envolvendo Marcelo.

 

Além de coração, rins devem precisar ser transplantados

Marcelo Alves , de 34 anos e pai de dois filhos, foi diagnosticado em 2002 com a doença degenerativa, dois anos depois que chegou a Massachusetts , quando ainda trabalhava lavando pratos em um restaurante. Após perceber o cansaço contínuo e verificando alguns inchaços nas pernas, ficou sabendo que tinha miocardiopatia. Com o avanço da enfermidade, ele agora convive com problemas nos rins, que se encontram debilitados e também talvez precisem ser transplantados. “ Ele toma um coquetel de 40 pílulas por dia, sendo que ele só pode consumir 200 ml de água diariamente. É uma rotina de muito sofrimento “ relata sua esposa, Elisabeth. Com relação à doação do coração da mãe de Adelson, ela se diz muito grata, mas mantém a serenidade. “ Fico muito agradecida com essa possibilidade, mas infelizmente não é tão simples assim. Tem que verificar compatibilidade sanguínea, esperar ele adentrar a fila de espera, a idade do coração (67anos). Mas quem sabe não é possível ?” opina. “ Sendo bem sincera, às vezes eu desejaria nunca ter vindo para cá, e ter passado por essa tragédia nesse país, No Brasil estaríamos perto da família, amigos e de tudo que faz parte da nossa vida” desabafa.

Precisando provar que tem condições de pagar um plano de saúde a US$ 600 por mês , a família Alves, está aceitando doações. Quem quiser ajudá-los pode fazer uma doação na conta (1312615351) de Elizabeth Alves no Citizens Bank.


Fonte: (Da redação)