Publicado em 12/02/2010 as 12:00am

Imigrantes contribuem para o crescimento dos EUA

Os EUA ganharam o título como a terra da oportunidade e a economia e tem colhido os benefícios de ser um caldeirão de culturas. Recentes relatórios do Instituto de Política Fiscal (FPI) e as palavras do Auditor do Estado

 

Os EUA ganharam o título como a terra da oportunidade e a economia e tem colhido os benefícios de ser um caldeirão de culturas. Recentes relatórios do Instituto de Política Fiscal (FPI) e as palavras do Auditor do Estado, Thomas DiNapoli afirmam que os imigrantes contribuem significativamente para o crescimento econômico do país.

 

"Muitos imigrantes trabalham dois ou três empregos ao mesmo tempo, limpam casas durante o dia e escritórios à noite", disse Antonio Meloni, diretor-executivo da Immigration Advocacy Services, Inc., em Astoria. "Eles estão ajudando a economia porque são lutadores e trabalhadores”.

 

De acordo com o relatório da FPI em 2009, "Imigrantes e a Economia”, os imigrantes de todo o país têm contribuído para a economia em proporção ao resto da população. A produção econômica dos cinco milhões de imigrantes na área metropolitana de Nova York, que compõem 28 por cento da população, está exatamente na proporção dos 28 por cento. Durante a última década, o crescimento fiscal aumentou 35 por cento na região, juntamente com a quota de imigrantes da força de trabalho.

 

"A reforma da imigração poderia ser uma realidade imediata, se estes números fossem levados em consideração", disse Meloni. "Se permitirmos que o crescimento econômico aconteça no seio da comunidade imigrante, os benefícios não seriam apenas deles. Isso poderia ajudar a economia como um todo, sem prejuízo reverso ".

 

Trabalhadores estrangeiros em Nova York estão ganhando salários iguais aos nativos americanos nas profissões com salários mais elevados, como a área médica, de acordo com a FPI. No entanto, a população está mais concentrada em salários baixos e empregos de colarinho azul, onde os rendimentos são consideravelmente menores. 45% dos trabalhadores de limpeza e de construção e 54% dos trabalhadores do serviço de hotelaria são imigrantes.

 

O fato de que os imigrantes são mais propensos a trabalhar em uma ampla gama de postos de trabalho, atribui a sua quota considerável na economia. Muitos são empresários e donos de pequenos negócios. No Queens, o número de empresas cresceu a um ritmo mais rápido do que no resto da cidade, por cerca de 12 por cento.

 

"O que a maioria das pessoas não percebe é que esses trabalhadores não são qualificados para receberem apoio do governo. Eles precisam confiar em sua força de trabalho", disse Meloni.

 

Os 10 melhores bairros de Nova York com a maior concentração de estrangeiros residentes teve um maior crescimento econômico do que o resto da cidade, segundo o relatório da Controladoria do Estado, de Janeiro de 2010. Os cinco melhores incluem Elmhurst / Corona, Jackson Heights, Sunnyside / Woodside, Forest Hills / Rego Park, Flushing e / Whitestone.

 

De todos os bairros, Queens tem a maior concentração da população imigrante, em 47%. Dominicanos compõem a maior quantidade de imigrantes na cidade de Nova York, seguido pelos chineses, jamaicanos e mexicanos.

 

Muitos acreditam que a conseqüência desses resultados deveria manter a esperança para a reforma da imigração no futuro. Mas ainda há obstáculos a superar.

 

"O que vimos em nosso estudo, certamente ressalta o importante papel que os imigrantes estão jogando na economia e também aponta algumas áreas onde há problemas em potencial", disse David Kallick, diretor de Pesquisa do FPI, acrescentando que a reforma da imigração tem de ser bem feita para que não haja consequências graves para a economia.

 

"O problema é que temos um grande número de trabalhadores indocumentados e os canais de imigração para a legalização são muito estreitos", disse Kallick.

 

 

Fonte: (Do Queens Courier, NY, tradução de Phydias Barbosa)