Publicado em 10/03/2010 as 12:00am

Brasileiras em MA comemoram Dia Internacional da Mulher

No domingo, 7, o Grupo da Mulher Brasileira realizou um coquetel, aberto ao público, no Museu de Somerville com a exposição de obras de artes em comemoração aos 15 anos do GMB e ao centenário do "Dia Internacional da Mulher".

 

Por Claudia Carmo

No domingo, 7, o Grupo da Mulher Brasileira realizou um coquetel, aberto ao público, no  Museu de Somerville com a exposição de obras de artes em comemoração aos 15 anos do GMB  e ao centenário do “Dia Internacional da Mulher”. Foram 67 expostos quadros de 11 artistas brasileiros e algumas peças de joalheria. As pessoas que compareceram ao evento, ficaram admiradas com a qualidade e a quantidade de obras.

É a primeira vez que o Museu de Somerville abriga peças de artistas brasileiros e Evelyn Battinelli, proprietária do espaço e do acervo permanente, não esconde o entusiasmo: “É a primeira vez que tantas pessoas nos visitam. São maravilhosos, os artistas, a coordenação, as obras de arte”, disse entusiasmada a diretora do Museu, que se multiplicava em responder as inúmeras perguntas da multidão. “Mulher” inclui obras de arte dos artistas Alexandre Emmanuel, Ana Doria, Celia Toschi, Clara Bohrer, Felipe Machado, Josias Monteiro, Laise Doria, Lineu Zadereski, Margarette Mattos, Ricardo Nassif e Wilson Gouvea.

 Mais de 300 pessoas compareceram ao coquetel, que teve duas horas de duração, das 3h00 as 5h00pm. Segundo Heloisa Galvão, diretora do Grupo Mulher Brasileira, o evento foi um sucesso “As portas do Museu se fecharam as 5h00, mas as pessoas permaneceram na exposição  até as 6h00pm. Uma das obras que chamou muito atenção, foi feita com tecido, no segundo piso do Museu. A artista criou com  tecido uma mulher, que parecia estar coberta”, conta.

O Museu, aberto em 1988, é uma casa bucólica, na esquina da Central Street e Westwood Road. As coleções contam as raízes da cidade, fundada em 1630 como parte de Charlestown, de quem se separou em 1842. Uma instituição privada, o Museu nunca teve uma exposição de arte brasileira, embora os brasileiros sejam uma população numerosa e, junto com portugueses e outros falantes de língua portuguesa, representem a segunda língua mais falada da cidade. Por isso, Evelyn apaixonou-se pela idéia, quando Regina Bertholdo, co-fundadora do Grupo, procurou-a com a proposta da exposição.

O GMB  nasceu em Somerville,onde a maioria das co-fundadoras moravam , e também a cidade, onde se concentra,  a maior comunidade brasileira desta região.Segundo Regina Bertholdo,“Nada mais natural do que uma exposição de arte brasileira no Museu de Somerville para dar o ponta-pé inicial no nosso programa em comemoração aos 15 anos do GMB. Além disso, disse Regina, “arte e Grupo Mulher têm uma ligação forte pois no 7 de setembro levamos a arte ao parque”.

A exposição está aberta ao público até o dia 27 de março. Para maiores informações no GMB, 617-787-0557 ramal 15, ou na pagina do Grupo www.verdeamarelo.org ou no site do Museu www.somervillemuseum.org.

Outra comemoração aconteceu em um restaurante brasileiro na segunda, 8, “Dia Internacional da Mulher”. Pelo quarto ano consecutivo Valéria Campos, organiza o evento para homenagear as mulheres. Todos ao anos são criadas camisetas, que são vendidas com direito ao jantar no local onde acontece o evento. Este ano, as camisetas estamparam a palavra “Mulher”, escrita em vários idiomas.

A festa reuniu cerca de 100 mulheres, vestidas com a camiseta, que se divertiram e comemoraram  seu dia ao som da banda Sedução e com direito a prêmios, que foram sorteados durante o evento como escovas, manicure e pedicure, troca de óleo de carro entre outros.

100 anos do Dia Internacional da Mulher

Neste ano de 2010, comemoram-se os 100 anos do “Dia Internacional da Mulher”, proposto por Clara Zetkin, no II Congresso Internacional de Mulheres Socialistas, realizado em 1910, em Copenhague.

Clara Zeikin (1857-1933), foi deputada e dirigente do Partido Comunista Alemão, atuando ativamente junto ao movimento operário e à luta pela conscientização feminina. Assim, essa data, proposta pelas mulheres socialistas, esteve associada desde a sua origem a fortes lutas políticas, movimentos trabalhistas, greves, passeatas e muita perseguição policial.

O dia 8 de março foi a data fixada, a partir de então, para a comemoração do Dia Internacional da Mulher. Para uns, uma data puramente festiva, em que os homens – de forma condescendente e “galante”– presenteiam as mulheres com flores e bombons. Para outros, uma data para lembrar e homenagear as mulheres que, ao longo dos séculos, ombro a ombro com os homens, lutaram por um mundo de mais igualdade, liberdade e justiça, onde as diferenças de gênero fossem respeitadas e não servissem de pretexto para subordinar e inferiorizar a mulher.

Fonte: (Da redação)

Top News