Publicado em 24/03/2010 as 12:00am

Brasileiros participam de manifestação em Washington pela legalização

Aconteceu no último domingo, 21, em Washington DC o movimento pela reforma imigratória. O evento reuniu mais de 175 mil manifestantes, entre eles brasileiros, que se reuniram no parque National Mall

 

Por Claudia Carmo


Aconteceu no último domingo, 21,  em Washington DC o movimento pela reforma imigratória. O evento reuniu mais de 175 mil manifestantes, entre eles brasileiros, que se reuniram no parque National Mall, para exigir  do Governo Americano uma reforma imigratória imediata.

Brasileiros de diversos estados, como Massachusetts, Nova York, Meryland,Washington, entre outros participaram da manifestação que foi titulada como o movimento histórico dos imigrantes. As organizações Mira, juntamente com a CTIB, Grupo Mulher Brasileira e Movimento Estudantil Imigrante lotaram 20 ônibus com brasileiros, hispânicos e norte-americanos para a marcha.

A presença da comunidade brasileira não foi  significativa no evento de milhares de pessoas. A comunidade  não esteve representada no palco montado no parque, onde  participaram como oradores na manifestação personalidades como o congressista democrata Luis Gutiérrez, de Illinois, que declarou que "a luta não termina agora, mas começa agora". Discursaram também o senador Robert Menendez, democrata por Nova Jersey, Janet Murguía, diretora do Conselho Nacional da Raça, a atriz mexicana Lucía Méndez , representantes de organizações e ativistas.

Diante deste fato os brasileiros presentes no movimento falaram sobre o assunto.  Sidney Pires candidato a Representante da Comunidade Brasileira  disse  “Eles selecionaram  os oradores através dos membros das organizações que  escolheram os seus oradores. O que precisamos fazer registrar os nossos membros em organizações que  façam esse trabalho, para que nos tenhamos um orador representando a comunidade brasileira. Precisamos ter mais  brasileiros  membros das organizações, que lutam pelos direitos dos imigrantes como  Mira,  National Immigration Reform,  CTIB , assim ganharemos expressão política e  teremos como selecionar  pessoas para ser em nossos oradores.Eu recebi um convite mas preferi não me pronunciar.  No próximo estaremos presentes, brasileiros mais participativos”.

Segundo Heloisa Galvão, diretora do Grupo Mulher Brasileira, “Eu acho uma pena. Tivemos uma presença bonita, mas deveria ser maior. Temos que trabalhar mais e mais juntos e unidos. Temos que ignorar as pessoas que querem nos dividir e nos unirmos. A nossa comunidade precisa ter presença visível, por isso a importância do Census, o resultado vai mostrar quantos somos”, afirma.

O candidato a Representante da Comunidade Brasileira, Jorge Costa, que também participou do movimento, atribuiu o fato a falta de participação dos brasileiros em movimentos “A nossa minúscula participação nos movimentos, poucos brasileiros e isso tem que ser compreensível. Porque não há cultura  nossa  em participar de movimentos como esse . Eu gostaria que cada brasileiro soubesse o valor da participação dos movimentos que são para o nosso benefício . Enquanto não houver numericamente uma participação expressiva,  não vamos ter um orador para falar num evento  como este”.

Procedentes de vários lugares dos Estados Unidos, os manifestantes, que chegaram de avião, ônibus e, em alguns casos, a pé, cantavam gritos de "Sim, é possível" ou "Legalização sim, deportação não", em inglês e em espanhol. Muitos deles, vestidos com camisetas brancas como tinham pedido os organizadores, levavam cartazes nos quais se liam mensagens como "A mudança necessita coragem" ou "A legalização é a solução".

Os ativistas reivindicam uma reforma que possibilite a legalização dos imigrantes ilegais que já se encontram no país, permita aos trabalhadores trazer suas famílias e impeça a exploração trabalhista.

Frustrados perante o que consideram uma falta de movimento para promover a reforma, os manifestantes exigiram a Obama que cumpra o prometido durante a campanha eleitoral. Nas eleições presidenciais de 2008, Obama contou com dois terços do voto latino.

A maior surpresa da manifestação foi a transmissão de um vídeo gravado com a mensagem enviada pelo Presidente Barack Obama, que disse: "Sempre prometi a vocês ser seu aliado, enquanto nos esforçamos em regular nosso sistema quebrado de imigração, e esse é um compromisso que reitero hoje. Ninguém conhece o preço da inação melhor do que vocês. Prometo fazer todo o possível para conseguir um consenso entre os dois partidos este ano a respeito deste importante assunto. A reforma da imigração é crucial para nossa segurança e nossa prosperidade”, assegurou o Presidente.

Obama admitiu que "não será fácil e não ocorrerá da noite para o dia". No entanto, ressaltou: "Se colaborarmos, poderemos conseguir um futuro digno de nossa história como nação de imigrantes".

 

A equipe do Brazilian Times acompanhou a marcha e conversou com alguns brasileiros que estavam na manifestação

Rosangela Luz, natural de Florianópolis e mora em East Boston - MA

“Eu estou aqui participando deste movimento porque eu tenho filhos adolescentes e  acho que não é justo as crianças ficarem fora das universidades, já que elas  vivem aqui. Essa lei tem que ser aprovada, para que as crianças possam estudar, que é uma coisa muito importante para nós que saímos do nosso pais em procura de um futuro melhor, por isso estou aqui lutando ”.

 

Nilcéia Cândido, narural de Santa Catarina, mora em Revere - MA

“Estou aqui lutando pela realização de um sonho e pelos estudantes para que eles possam ingressar em uma universidade. E por nós que não temos documentos e precisamos ter, para que possamos ter um trabalho com direitos iguais e por isso que estou aqui na luta e tenho certeza que vamos conseguir ainda este ano”.

 

Renata Teodoro, natural de Crisciuma, organizadora do  Movimento Estudantil  Imigrante de Massachusetts

“Eu estou aqui porque minha família foi deportada para o Brasil há três anos e essa é uma luta por eles, por mim  e pelos estudantes. Eu espero que o Presidente Obama retome sua promessa de quando foi eleito em lutar pelos imigrantes”.

Daniel Pereira da Silva, natural de Goiabeira - MG

“Eu estou aqui na luta com todos para que os governantes deste pais tenham uma definição para a reforma imigratória ainda este ano”.

 

Evanise Barcelos, natural de Porto Alegre, mora em Nova York

“Estou aqui para  dar suporte e ajudar todos os imigrantes a mudar as leis imigratórias. Já sou cidadã, mas me sinto na obrigação de estar aqui na luta com todos, porque já estive na mesma situação. Os verdadeiros americanos são os búfalos, as  águias e os índios o resto é tudo imigrante”.

Rafaela Silva, natural de Recife e Rafael Batista, de São Paulo,  estudantes, moram em Washington

“Ficamos sabendo deste movimento por acaso, porque não foi divulgado na comunidade. Mas apesar de estarmos aqui legalmente viemos ajudar os imigrantes e os brasileiros nessa luta da legalização”.

 

Higor Lima, nasceu em Teófilo Otônio-MG, mora em Nova York

“Eu estou aqui há doze anos, sou cidadão e vim apoiar a comunidade. Faço parte do Cidadão Global, em NY, que é uma organização criada para unir os brasileiros imigrantes e vamos lutar sempre junto com os nossos irmãos imigrantes”.

 

Thays Barcelos, nasceu em Porto Alegre, mora em Nova York

“Viemos para dar apoio. Quando chegamos aqui não tinha nada para ajudar os brasileiros. Se estamos apoiando os imigrantes todos precisam saber que estamos aqui. Precisamos nos unir e ajudar uns aos outros para crescermos juntos”.

 

Leandro Alves, Teofilo Otônio – MG , mora em NY

“Estou aqui como todos os brasileiros deveriam estar para lutar pela reforma de imigração”.

 

Naracirlene dos Anjos, nasceu em São Luiz do Maranhão

“Vim aqui para apoiar os brasileiros e imigrantes ilegais. Eu estou legal mas entendo a situação que todos passam para ter um emprego, carteira de motorista e ser mais respeitado”.

Fonte: (Da redação)