Publicado em 24/03/2010 as 12:00am

Obama reafirma: 'Reforma Imigratória sairá este ano'

Frustrados pelas faltas de medidas para a reforma do sistema de imigração do país, milhares de manifestantes se reuniram em Washington e marcharam agitando bandeiras americanas e afixaram cartazes em Inglês e Espanhol.

 

Frustrados pelas faltas de medidas para a reforma do sistema de imigração do país, milhares de manifestantes se reuniram em Washington e marcharam agitando bandeiras americanas e afixaram cartazes em Inglês e Espanhol.

Os defensores da reforma, vindos de várias cidades dos EUA, foram a Washington na esperança de que seus protestos estimulem o Congresso a resolver esta questão controversa.

Alguns legisladores se opõem a qualquer tentativa de ajudar os cerca de 12 milhões de imigrantes ilegais a se tornarem cidadãos, enquanto outros insistem que primeiro deve ser imposto um controle mais efetivo nas fronteiras.

O presidente Barack Obama, que prometeu que a reforma do sistema de imigração será uma prioridade em seu primeiro ano de mandato, procurou acalmar os manifestantes, através de uma mensagem de vídeo em telas gigantes instaladas no National Mall, ao lado dos principais monumentos de Washington.

Obama disse que está empenhado em trabalhar este ano com o Congresso sobre a iniciativa de seu governo em reparar "um sistema falido de imigração".

O presidente disse que os problemas com o sistema de imigração atual, incluindo famílias desfeitas, empresas aproveitando-se de brechas nas leis e outros, aproveitou e citou também o caso de policiais que têm dificuldades em manter a segurança nas comunidades, sem citar o nome do mais temido xerife do oeste, que continua prendendo e arrebentando no Arizona.

Obama, cujas declarações foram transmitidas durante o trabalho em busca dos últimos votos democratas para a reforma da saúde, disse que fará tudo ao seu alcance para chegar a um consenso bipartidário sobre a legislação da imigração ainda este ano de 2010.

Os senadores Chuck Schumer, democrata de Nova York, e Lindsey Graham, republicana da Carolina do Sul, apresentaram uma proposta de projeto na semana passada, publicada no Brazilian Times de segunda, 22.

A iniciativa prevê que os imigrantes que queiram se legalizar, procurem admitir que violaram as leis para entrar nos Estados Unidos, paguem multas e impostos atrasados, executem serviços comunitários, passem por uma verificação de antecedentes, tipo um nada consta, e aprendam inglês fluentemente, antes de ganharem o status de residentes legais.

Autoridades de Washington, DC, não costumam calcular o número de participantes nas manifestações, mas a multidão no parque se estendia por cinco quarteirões.

Os manifestantes da passeata levavam cartazes com slogans que diziam: "USA: precisamos de você tanto quanto você de nós" e "Nenhum ser humano é ilegal". Muitos agitavam bandeiras americanas e de paises latinos, principalmente México, Guatemala e El Salvador. Mas haviam bandeiras chinesas, coreanas e algumas brasileiras.

Fonte: (*de Washington, enviado especial Phydias Barbosa)