Publicado em 5/04/2010 as 12:00am

'Eles queriam a Camila', afirma amiga da brasileira

Samantha Goulart conduzia o carro parado pelo ICE no dia 28 de Março em Everett ? MA , em ação que culminou na prisão da mineira Simone Fernandes, conhecida como 'Camila'

  Por Marcelo Zicker


Na noite do domingo, 28 de Março, duas brasileiras foram presas pelo US Immigration and Customs Enforcement – ICE,  em Everett – MA, em uma ação que assustou toda a comunidade brasileira da região, e espalhou boatos de que o ICE estaria apertando o cerco contra os imigrantes em Massachusetts. A mineira Simone Fernandes, de 34 anos, conhecida como ‘Camila’ , e a capixaba Adriane Lopes de Almeida, de 32 anos,  tinham Côrte de Imigração pendentes, e foram detidas ao serem paradas por viaturas do ICE, nas ruas da cidade.

Para a amiga de Camila e testemunha da ação planejada pelos agentes, Samantha Goulart, tudo ocorreu de forma a deixar claro que os oficiais tinham um objetivo certo ao parar o veículo. “  Eu fui buscá-la para irmos ao show do Leonardo, e no trajeto percebi que tinha um carro grande e preto, piscando a luz para a gente. Logo depois ele ligou as luzes da sirene policial e resolvi parar. Ficaram com nossos documentos por quase 40 minutos dentro das viaturas, e foi nesse momento que desconfiei que não se tratava de uma simples batida policial,e  que era  realmente o ICE” afirma a curitibana, que há quase 4 anos reside nos EUA. Durante a espera dentro do carro, Camila confidenciou à amiga que temia ser presa. “ Eu ‘devo Côrte’, eles vão me deportar” afirmou a mineira para Samantha. Após o retorno dos agentes ao carro das brasileiras, o receio se tornou realidade.

Para Samantha, que não foi nem ao menos autuada para comparecimento à Côrte por ter extrapolado o tempo de permanência no país, o ação foi claramente planejada para apreender Camila. “ Eles tinham um alvo, e esse alvo era ela. Pela maneira como eles abordaram ela, como faziam as perguntas, estava muito claro que não era uma batida para pegar indocumentados, e sim uma atividade planejada, eles estavam seguindo os passos da Camila” opina a amiga da mineira, ainda assustada com a ação. “ Eu ainda não aceitei a idéia que uma das minhas melhores amigas foi vítima disso tudo, está sendo muito difícil para mim” desabafa.

Para a curitibana, o fato não é motivo para que a comunidade tema novas ações da Imigração. “Tem muitos amigos meus que comentam que a Imigração está apertando o cerco, está mais ativa contra os imigrantes, mas eu não concordo. Pela maneira como eu vi no caso da Camila, eles estão sempre à procura de pessoas que devem algo à justiça do país, ou que tenham cometido algum crime. Eu vim para cá de visto, mas já ultrapassei o tempo de permanência e eles nem mesmo se incomodaram comigo, me liberando rapidamente” opina Samantha.


Fonte: (Da redação)