Publicado em 18/06/2010 as 12:00am

Gay americano ganha visto permanente para viver no Brasil

O professor e cientista político Gary Dotterman , de 66 anos, e seu companheiro, o mineiro Geraldo Ribeiro Dias, de 52 anos, receberam a notícia, em fevereiro deste ano

 

Por Marcelo Zicker

 

Poucas semanas após o brasileiro  Genésio Januário de Oliveira Junior conseguir um visto humanitário para viver com seu marido, o publicitário norte-americano Tim Coco, em Massachusetts, um novo episódio envolvendo a relação homossexual entre um brasileiro e um americano terminou com a concessão de um visto migratório.

Mas dessa vez não foi apenas um visto temporário , e tampouco foi para permanecer nos EUA. O professor e cientista político  Gary Dotterman , de 66 anos, e seu companheiro, o mineiro Geraldo Ribeiro Dias,  de 52 anos, receberam a notícia,  em fevereiro deste ano,  de que o visto de residência permanente  no Brasil para Gary tinha sido concedido, baseado  no matrimônio do casal.  A decisão é histórica, se configurando como uma das primeiras concessões do ‘Green Card’ brasileiro legitimada por uma união homossexual.

Juntos há aproximadamente 18 anos, o casal desde então divide o mesmo teto, tendo oficializado a união somente em 2005 ( Massachusetts foi o primeiro estado dos EUA a reconhecer o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, em 2004) . “ Foi só para consolidar a nossa relação, afinal são quase duas décadas juntos” afirma Geraldo, natural da pequena Joanésia,  em Minas Gerais. Com a proximidade da aposentadoria de Dotterman, que leciona na Universidade de Massachusetts e é conhecido por seu extenso trabalho na política, surgiu a vontade de mudar de vida. O casal então, decidiu que o Brasil seria o melhor local para recomeçar um novo capítulo na história de ambos. “ Compramos juntos um apartamento em Copacabana, no Rio de Janeiro, e ainda conto residências em Ipatinga, onde mora a minha família. Temos uma estrutura para viver com qualidade no Brasil. Foi um desejo tanto meu quanto do Gary” relata o mineiro.

Na tentativa de conseguir permissão de residência fixa para o americano, o casal fez um contato direto com o presidente do Conselho Nacional de Imigração e coordenador-geral de Imigração do Ministério do Trabalho, Paulo Sérgio Almeida, através do amigo e publicitário Adairton Teixeira, que reside em Massachusetts. “ Ele foi extremamente atencioso e claro quanto às nossas chances de conseguir, e de fato foi uma surpresa para a gente que pudéssemos resolver esse impasse em tão pouco tempo. O Adairton também teve um papel fundamental em todo o processo. Aplicamos em Novembro de 2009 e em Fevereiro recebemos a notícia da concessão da Residência Permanente. Foi um tremendo alívio” explica Gary, se dizendo ansioso para iniciar uma nova trajetória, e revelando que já está  estudando o português, idioma que ainda não domina.

Senador Ted Kennedy  deu apoio à causa meses antes de falecer

Amigo pessoal e grande aliado político do senador Ted Kennedy,  Gary contou com privilégio de contar com a sua ajuda no processo, 2 meses  antes de Kennedy  falecer vítima de câncer. O senador escreveu uma carta de recomendação e apreciação para Paulo Almeida, pedindo a concessão do visto permanente.  Na carta ele faz referência ao longo currículo de Dotterman em causas humanitárias e políticas. “ No ano passado estávamos refletindo sobre os caminhos a serem tomados, e o que poderia nos ajudar a conseguir esse visto. Foi quando o Geraldo falou : ` Porque você não tenta o Ted ?`. Naquele momento eu fiquei receoso, principalmente porque o Ted já estava debilitado pela quimioterapia, e não queria atrapalhá-lo num momento delicado de sua vida. Mas resolvi tentar. Fui surpreendido com a disposição e a vontade de ajudar que ele demonstrou” relata Gary. 

Agora os dois pretendem residir permanentemente no Rio de Janeiro , fazendo visitas constantes à casa da mãe de Geraldo, situada em Ipatinga. “ Fizemos nosso ‘pé-de-meia’ e temos segurança financeira para viver no Brasil. Quanto à projetos futuros, não sabemos ainda, vamos deixar as coisas acontecerem normalmente para decidirmos o que fazer. Também tenho investimentos no Brasil que precisam ser administrados” diz Geraldo. “ O Brasil é um dos países que conquista  cada vez mais consciência em assuntos considerados polêmicos.  Não queremos de forma nenhuma segurar a bandeira da causa gay ou fazer do nosso caso uma exemplo de luta. O Brasil tem uma das maiores passeatas Gay do mundo ( de São Paulo), e já demonstrou estar cada vez mais aberto para discutir e aceitar a diferença sexual” opina Gary, que completa dizendo não temer a violência ou a discriminação por ser homossexual no país.

 

Política de Imigração beneficiando matrimônios homossexuais já vigora no Brasil

O Brasil foi o primeiro país latino-americano a adotar uma nova política de imigração para reconhecer relacionamentos entre o mesmo sexo. O Conselho Nacional Sobre Imigração do Brasil, aprovou em 12 de dezembro do ano passado,  novas orientações para garantir os benefícios dos parceiros estrangeiros de países, estados ou cidades que já ofereçam reconhecimento aos casais do mesmo sexo. Outras nações que concedem os benefícios da imigração aos casais do mesmo sexo são: Austrália, Bélgica, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Israel, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, África do Sul, Suécia e o Reino Unido. A proposta tem pouco apoio nos EUA, estando estagnada no congresso norte-americano.  

Fonte: (Da redação)

Top News