Publicado em 2/07/2010 as 12:00am

Obama clama pela Reforma Imigratória em discurso para a nação

Em seu primeiro discurso para a nação sobre o assunto, na manhã de quinta ? feira (1), o presidente Barack Obama afirmou que chegou a hora da Reforma Imigratória ser tratada como prioridade por republicanos e democratas no congresso

 

Por Marcelo Zicker


Em seu primeiro discurso para a nação sobre o assunto, na manhã de quinta – feira (1), o presidente Barack Obama afirmou que chegou a hora da Reforma Imigratória ser tratada como prioridade por republicanos e democratas no congresso, endossando o papel dos imigrantes no desenvolvimento do país ao longo dos anos, e dizendo que a oposição ao tema se deve à ‘interesses políticos’.

Segundo o presidente, a urgência do assunto deve ultrapassar discordâncias políticas, priorizando um projeto bipartidário que exija o fortalecimento da fronteira, que gere uma estrutura de fiscalização mais eficiente sobre o trabalho indocumentado e, principalmente, que crie um caminho de legalização para os mais de 11 milhões de imigrantes que vivem no país sem documentação.   

País dividido pelo tema

Acionando otimismo, o presidente citou que o entrave no congresso relacionado à iniciativa, pode ser sim, solucionado. “ É preciso dar forma a uma abordagem prática e de senso comum que reflita os nossos valores. Em todo lugar do país vamos encontrar pessoas que expressem sua frustração com o sistema migratório que está, fundamentalmente, corrompido” disse. “ A maioria do país está cético quanto ao apoio a uma anistia mas também está cético quanto a um movimento que deportaria os mais de 11 milhões de imigrantes. Não podemos ‘cortar o tecido’ da fábrica dessa nação porque aqueles que estão aqui ilegalmente já são, intrinsecamente, o tecido dessa fábrica” frisou Obama, demonstrando estar a favor de uma anistia.

Manutenção da família

Obama pontuou também o fato de  muitos imigrantes terem chegado ao país com filhos pequenos e que foram criados como americanos, só se conscientizando de sua indocumentação no momento de aplicar para uma faculdade ou emprego no país. “ São famílias que tem contribuído por gerações em diversos setores de nosso país. Não podemos simplesmente desconsiderar esse fato” afirmou. “ `Não podemos deixar que as crianças paguem pelos erros dos pais, as deportações estão separando famílias e temos que tentar conter esse grave problema” disse em seguida, pedindo para que se diminua as deportações.

 

DREAM Act

Quanto à iniciativa, que há anos tenta passar no congresso, e gera a oportunidade do estudante indocumentado do país de se beneficiar de direitos estudantis oferecidos aos cidadãos em Universidades, Obama foi muito claro quanto ao seu apoio. “ Temos que parar de punir jovens inocentes que estão aqui para serem educados e contribuir com seus talentos na construção do país onde eles cresceram. O DREAM Act pode fazer isso, e é por isso que eu apoiei essa proposta como legislador estadual, senador federal, e continuou dando o meu suporte como presidente” declarou.

Projeto bipartidário

Para Obama, sem um trabalho conjunto entre republicanos e democratas, não será possível concluir a reforma. “ A questão principal é termos coragem e apoio político para passar essa proposta no congresso, e finalmente aprovar essa reforma. Mas a questão bipartidária deve ser resolvida e não conseguiremos aprová-la sem apoio dos republicanos” ressaltou, reafirmando que um projeto ideal deve contemplar uma verificação de histórico criminal, pagamento de multa e comprovação de proficiência na língua inglesa.  

Crítica a lei do Arizona

O discurso, que foi realizado na American University's School of International Service, em Washington, também não economizou em críticas contra a lei SB1070 do Arizona, que torna a imigração indocumentada, um crime no estado. Segundo ele, a lei poderia fomentar a discriminação racial e étnica e estaria indo de encontro com a constituição do país. Ele reafirmou a iniciativa de rever a lei, possibilitando a sua suspensão.

Consequências econômicas

    Para ele, a contribuição econômica de uma reforma iria ser enorme ao país. “ Estamos perdendo bilhões de dólares em impostos todos os anos, pelo fato de grande parte desses imigrantes ganharem o seu salário por debaixo da mesa, sem declará-los’ pontuou, falando a respeito sobre a grande parte dos imigrantes que trabalham ganhando em ‘cash’ e sem utilização de número de seguridade social válido.

Repercussão do discurso

Entre ativistas e politicos, a resposta ao discurso teve um saldo final positivo, embora tenha se falado na ausência de um plano mais consistente de ação para fazer com que o projeto seja aprovado. “  Se por um lado ficamos contentes que o Presidente ocupe seu tempo para falar à nação sobre a necessidade do Congresso passar uma nova lei de imigração, por outro ficamos frustradas com a falta de um plano de ação”, disse Heloisa Galvão, do Grupo Mulher Brasileira.“É importante que o Presidente esclareça sua opinião sobre o assunto. O país inteiro olha para ele em busca de liderança. Mas o discurso acabou sem uma proposta concreta do que fazer. Eu, pessoalmente, tenho a impressão que o Presidente usou o discurso para mandar um recado para o Arizona não levar adiante a SB1070. Este recado serve para outros estados. Isso é bom, este apoio do Presidente certamente ajuda e muito” completou Heloísa. Para o radialista Ilton Lisboa, só o fato de ele se dispor a falar sobre o assunto, já é um ponto positivo. “ Ele prometeu que faria a reforma, e está tentando cumprir com a sua palavra. O seu governo conseguiu trabalhar em muitos temas polêmicos, como a Reforma da Saúde e a recém discutida Reforma Financeira, então ele já demonstrou ser um político corajoso e que corre atrás do que acredita ser o melhor para o país” disse Ilton. Para ele, a reforma acontecer ainda esse ano seria um ótimo presente para os brasileiros. “ Imagina ? O título da Copa do Mundo e o Green Card na mão? Seria um super presente de Natal” brinca o radialista.

Prefeito de Boston falou ao BT sobre iniciativa do presidente

Procurado pela nossa equipe de reportagem, o prefeito de Boston Thomas Menino disse, em comunicado, que apóia o posicionamento do presidente Obama acerca do assunto. " Eu aplaudo o presidente Obama por ter abordado esse importante tema, que afeta milhões de vidas ao longo do país. Ao mesmo tempo, a prefeitura de Boston está fazendo esforços para fortalecer os direitos dos imigrantes em nossas comunidades locais. The Office of New Bostonians, por exemplo, está encontrando caminhos para gerar a inserção desses estrangeiros junto à cidadania plena, incentivando a multiculturalidade da nossa cidade como um todo” afirmou Menino.  

Fonte: (Da redação)