Publicado em 19/07/2010 as 12:00am

Brasileiro atravessa a fronteira oito vezes

A história de Cristiano, um mineiro de Ipatinga, é diferente das que já foram contadas. Ele atravessou a fronteira oito vezes. Mas porque quis

 

A história de Cristiano, um mineiro de Ipatinga, é diferente das que já foram contadas. Ele atravessou a fronteira oito vezes. Mas porque quis. Ele trabalha como ajudante de cozinha em um salão de festas na cidade de Woburn, em Massachusetts. Mas as travessias exageradas se deve ao fato de que ele decidiu, depois de quatro anos morando nos Estados Unidos, visitar seus parentes no Brasil.

Cristiano conta, entre sorrisos, que estava tomando uma cerveja com amigos quando conheceu um coiote mexicano, que mensalmente ajudava imigrantes a atravessar a fronteira. Foi então que iniciou a conversa:

- Se um dia eu precisar de você, como faço? – indagou Cristiano

- É só me ligar. Eu cobro $1 mil por cabeça e a travessia é rápida. Garanto atravessar a fronteira em 15 minutos. – respondeu o coiote

- Quer dizer que se eu for para o Brasil e quiser voltar novamente, é só te ligar que você me atravessa? – perguntou novamente o brasileiro

- Sim. Isso mesmo. – veio a resposta imediata.

Cristiano pensou, pensou e pensou.

- Se eu for para o Brasil, gastarei uma mixaria com a passagem para o México e mais $1 mil para cruzar a fronteira.

Na primeira vez que ele cruzou a fronteira pagou $12 mil. Não pensou duas vezes. Pegou os contatos do coiote amigo e decidiu fazer planos para visitar seus parentes no Brasil. Dois meses depois de tomar a decisão e ficar mais amigo do coiote, Cristiano já estava seguro do que iria fazer. Ele embarcou para o Brasil e de lá sempre se comunicava com o novo amigo. Dois meses junto dos pais e amigos, resolveu voltar. Deu aquele frio na barriga, pois não sabia se o esquema era seguro, mas já que arriscou, iria até o fim. Ligou para o coiote e informou que estava voltando.

- Ok! Estarei no aeroporto te esperando. – Veio a resposta Cristiano embarcou para o

México e assim que chegou ao aeroporto na Cidade do México e passou pela vistoria, viu no portão, o amigo coiote. Isso foi um alívio, pois a princípio tudo sairia como o planejado. Antes mesmo de abraçá-lo, foi entregando o envelope com o dinheiro dentro.

- Calma meu amigo. Quero o dinheiro somente depois que você estiver seguro. Guarde com você por garantia. – disse o coiote

Dito isso, a confiança aumentava mais ainda de que tudo sairia perfeito e não deu outra. Eles cruzaram a fronteira em 20 minutos, sem muito caminhar. Pronto! Alexandre curtiu umas férias no Brasil e retornou para os Estados Unidos.

Mas não parou por aí. No ano seguinte, Alexandre fez a mesma coisa dois anos depois novamente. Ao todo ele já foi ao Brasil e voltou pela fronteira, oito vezes. Sempre quando conta aos seus amigos esta história, ele brinca dizendo que já visitou o Brasil mais do que muitos que tem documentação legal nos Estados Unidos. Ele já prepara mais uma viagem para o fim deste ano, pois quer passar o Natal com sua família. (trecho do livro “A fronteira” – do jornalista Luciano Sodré. Reservar pelo telefone (339) 545-5790)

Fonte: (Da redação)