Publicado em 19/07/2010 as 12:00am

Dois brasileiros processam pizzaria por não pagar 'hora extra'

Valdeir Pereira Pinto, de Allston ? MA, e Cleverson Batista, de Somerville ? MA, acusam a Upper Crust Pizza de não pagar devidamente as horas extras trabalhadas

 

Dois brasileiros que trabalhavam na rede de pizzarias Upper Crust Pizza, entraram com uma ação na sexta – feira(16), acusando a empresa de não pagar ‘hora extra’. A notícia vem à tona um ano após a empresa ter sido ordenada, pelo Departamento Federal do Trabalho,  a pagar $341.000  em horas extras para outros 121 funcionários.  

A rede de pizzarias, que tem 17 filiais ao longo de Boston e redondezas, empregava Valdeir Pereira Pinto, de Allston – MA, e Cleverson Batista, de Somerville – MA, que acusam a gerência da pizzaria de, depois de fazer a restituição de pagamentos fixos relativos às horas extras, dizer aos funcionários que eles ‘deveriam pagar aquilo de volta’ se eles quisessem manter seus empregos.  Os gerentes então, começaram a deduzir centenas de dólares dos pagamentos semanais dos funcionários , de acordo com a ação realizada pelos brasileiros. Eles disseram no processo, que foram despedidos nessa primavera, semanas após a companhia ‘recuperar’ o dinheiro dado na restituição. “ Não é justo que eles tomem o meu dinheiro, que eu lutei para conquistar” disse Cleverson, ao jornal Boston Globe. Ele trabalhava em restaurantes situados em Brookline e Fenway.

Um dos proprietários da rede de pizzarias, Josh Huggard, disse que ‘aprendeu com os erros praticados no passado’,  ao falar sobre a determinação do Departamento do Trabalho. Ele ressaltou ainda, que a companhia ‘nunca disse para nenhum de seus funcionários que eles não poderiam trabalhar lá , se não pagassem o dinheiro restituído de volta’.

Para a dispensa do brasileiro Valdeir Pinto, o empresário disse que ‘ ele era preguiçoso, um péssimo funcionário’. Mas os contra-cheques do brasileiro afixados no processo, demonstram que os valores recebidos por Valdeir, tinham as deduções.

A investigação federal, que pesquisou sobre os pagamentos efetuados de abril de2007 até abril de 2009, demonstrou que a  Upper Crust Pizza não pagava as horas extras dos funcionários. Pinto, por exemplo, fez 72 horas no semana do dia 27 de Setembro de 2009. A empresa porém, lhe pagou um cheque de apenas $455, argumentando a política de ‘devolver a restituição’.

Para Jordan Tobins, outro sócio da cadeia de restaurantes, disse que ambos os brasileiros são apenas ‘ ex-empregados desapontados com a demissão, que estão tentando alguma maneira para extorquir dinheiro do seu negócio’. “Nós não ligamos para o valor colocado no relatório, levando em consideração que eles recebiam salários e não honorários” disse ele, em comunicado enviado ao Globe.

 Além de questionar o pagamento de ‘horas extras’, o processo também afirma a falha da empresa em pagar o salário mínimo e de punir os funcionários que reclamam do fato. Os donos explicam que a medida de diminuir salários foi para prevenir demissões. “ Precisávamos reduzir os nossos gastos. Nós explicamos que apesar da tristeza da notícia, seria necessário para manter todo mundo empregado, foi nossa única opção” disse.

Para Valdeir, a irregularidade é um roubo. “ Eles estão inaugurando novas lojas com meu dinheiro. Eu quero meu dinheiro de volta” clama o brasileiro.

Fonte: (Da redação)