Publicado em 4/08/2010 as 12:00am

Coiote acusado de vários sequestros está preso em Minas

"João Peroba", de Conselheiro Lafaiete, estava sendo monitorado desde 2008, e sequestrava mineiros para conseguir dinheiro junto à família

 

João peroba, um mineiro de Conselheiro Lafaiete foi preso na quarta-feira da semana passada, acusado de liderar uma quadrilha internacional que levava brasileiros para os Estados Unidos. Quando os imigrantes chegavam ao exterior eram sequestrados pelo suspeito que pedia resgate às famílias no Brasil.

O líder da quadrilha morava na Guatemala e no México, de onde gerenciava as operações. Brasileiros, principalmente de Governador Valadares, pagavam entre e R$10 e R$15 mil para entrar ilegalmente nos Estados Unidos.

Os “coiotes”, muitas vezes, sequestravam os brasileiro no Texas (EUA), enquanto o líder exigia das famílias novos pagamentos. Ele tentava extorquir até US$ 10 mil dos parentes e torturava os presos ameaçando com armas e mutilações.

O mineiro, acusado de comandar uma quadrilha que sequestrava brasileiros ilegais no Texas, nos Estados Unidos, já está à disposição dos agentes da Superintendência Regional da Polícia Federal em Minas Gerais, para ser investigado. Com de 40 anos de idade, conhecido como João Peroba, ele preso na quarta-feira (28) no município de Serra, na Grande Vitória (ES), e transferido no dia seguinte para a capital. Há cerca de dois anos ele vinha sendo investigado por intermediar a entrada ilegal de imigrantes nos EUA, a maioria deles de Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, além de extorquir os parentes aqui no Brasil, depois de manter em cativeiro seus “clientes”. Ele deve ser indiciado por formação de quadrilha, tráfico de pessoas e extorsão mediante sequestro.

João Peroba cumpre prisão preventiva (sem prazo determinado) no Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH. Ele foi ouvido na manhã de quinta-feira (29), no Departamento de Polícia Federal, no Bairro Santo Antônio, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Segundo a delegada Bruna Rizzato, J.C. confessou participar da travessia ilegal de pessoas entre Brasil e EUA, mas negou o sequestro desses imigrantes. “Ele disse que morou na Guatemala, em 2008, 2009 e parte de 2010, e que intermediava a entrada dos brasileiros nos Estados Unidos. Mas não admitiu a extorsão”, diz. A delegada diz que cerca de 1 mil pessoas por ano contratavam os serviços de João Peroba, que agia pelo menos desde 2003.

A primeira denúncia contra ele foi feita, em 2008, na Delegacia de Governador Valadares, por uma das vítimas sequestradas nos EUA. Depois do relato, outras pessoas procuraram a polícia. “Em 2003, ele já havia sido preso nos Estados Unidos ao ser flagrado atravessando três imigrantes ilegais. Ainda não sabemos desde quando ele fazia a travessia e quando passou a comandar o esquema. As denúncias demoraram a surgir porque as vítimas têm medo por serem ilegais nos EUA. Assim, só resolvem falar quando já estão no Brasil”, explica Bruna.

Segundo a delegada, agentes de João, no Texas, sequestravam os imigrantes, pedindo R$ 20 mil à família no Brasil. “Enquanto as vítimas eram mantidas em cativeiro nos EUA, ele ligava para as famílias e ameaçava cortar pedaços do corpo da pessoa ou matá-la”, relata Bruna. De acordo com a delegada, não há informações sobre se ele chegou a cumprir a ameaça em algum sequestro. Natural de Conselheiro Pena, no Vale do Rio Doce, João Peroba afirma que deixou a Guatemala há três meses, depois que os “negócios” desandaram, e estava desempregado no Espírito Santo. (fonte: Uai.com)

 

Entenda o esquema da quadrilha

1. Interessada em atravessar ilegalmente as fronteiras dos EUA, a vítima contratava o serviço de João Peroba, que oferecia guias, conhecidos como coiotes, por cerca de R$ 15 mil. Na maioria dos casos, o imigrante era de Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, onde ele tinha cinco “agenciadores”

2.O pacote pago incluía uma passagem aérea entre São Paulo e Guatemala, onde ficava João Peroba.

3.Da Guatemala, coiotes guiavam o imigrante ilegal até o México. A viagem era feita por terra, parte a pé e outra por carro.

4.Da mesma forma, os coiotes de João Peroba comandavam a travessia do México aos Estados Unidos

5.Chegando aos EUA, os imigrantes eram sequestrados por integrantes da quadrilha. Enquanto eram mantidos em cativeiros, João Peroba, na Guatemala, telefonava para parentes da vítima e cobrava R$ 20 mil para liberá-la, sob ameaça de cortar membros do corpo do prisioneiro ou matá-lo

Fonte: (Da redação)

Top News