Publicado em 20/08/2010 as 12:00am

Brasileiro envia carta ao BT relatando a vida na prisão

O brasileiro Darlon Silvano, natural de Criciúma ? SC, que está há 11 meses preso na Middlesex County Jail, relata o drama que está vivendo para retomar a sua vida em liberdade.

 

A agonia de permanecer numa penitenciária por semanas, meses e até anos, apenas esperando para voltar para o seu país de origem, é uma realidade de milhares de imigrantes presos nas penitenciárias dos EUA. Nessa semana, o BT recebeu uma carta do brasileiro Darlon Silvano, natural de Criciúma – SC,  que está há 11 meses preso na  Middlesex County Jail, e na qual ele relata o drama que está vivendo para retomar a sua vida em liberdade.  

Mesmo sem terem cometido um crime,  muitas vezes os brasileiros tem que esperar detidos a deportação, que é agendada para até meses depois da prisão dos mesmos, além do pagamento de uma fiança. “Resolvi escrever a carta, para expressar a minha real situação no momento. Estou preso há 11 meses e não tenho como pagar a fiança de $1.000 que é preciso para estar sendo encaminhado sob custódia da imigração e assim ser deportado. Tudo que eu quero é ser deportado,  minha família está toda no Brasil” afirma Darlon.

Segundo o preso, ele vem recebendo ajuda de pessoas próximas e do Pastor Rosvaldo e da Irmã Cecília, que tem ajudado a arrecadar a quantia e tem se empenhado no trâmite judicial para agilizar a liberdade do catarinense. “ Preciso de 500 dólares ainda, e ninguém me fala quando eu vou sair ou não. Eu tenho orado e pedido para que Deus toque no coração dos irmãos. Tenho corte no dia 31 de agosto, espero contar com a oração de todos” pede o brasileiro, que disse acompanhar a programação da Rádio Brazilian Times, diretamente da prisão.

Darlon, que disse não falar com a família há vários meses, ofereceu o telefone de seu pai na carta, afirmando que uma das maiores frustações é não falar com ele há vários anos. “ Queria que vocês divulgassem que amo muito ele, e que espero que um dia a gente volte a se falar e se entender” disse o brasileiro.

O testemunho de Darlon é só mais um exemplo do drama que aflige milhares de brasileiros em Massachusetts e em todo o país. Sem condições de apelar na justiça para agilizar a deportação, com parentes que também estão indocumentados e que não podem sair das sombras, com o risco de também serem pegos, a situação desses brasileiros é ainda pior, pela falta de notícias de quando vou voltar à liberdade.

Padre tem feito visitas periódicas a presos nas penitenciárias de Boston

Sensibilizado com o problema, que afeta milhares de famílias em Massachusetts, um padre de Somerville está empenhado em atuar para levar palavras de conforto a brasileiros que se encontram presos em penitenciárias do estado. O padre Ademir, da paróquia de Santo Antônio,  iniciou na semana passada, uma série de visitas a brasileiros dentro dos presídios. “ Após ouvir de muitos fiéis da paróquia o desabafo por ter um ente querido preso esperando pela deportação, e perceber que os testemunhos estavam se tornando cada vez mais constantes, resolvi fazer algo para levar esperança para essas pessoas, que aguardam ansiosas por um futuro incerto” revela o padre, que começará visitando os brasileiros uma vez por semana.” Eles estão esperando a deportação, sem saber quando vão ser soltos para reencontrar com os familiares. É um momento de muita agonia, eles precisam de palavras de conforto, de fé, de saber que o melhor estar por vir” revela Padre Ademir.

A primeira visita ocorreu no Suffolk County Jail, ao sul de Boston, mas o padre pretende estender as visitas para outras penitenciárias e conscientizar mais brasileiros desse drama. “ É preciso explicar para eles que não é o fim do mundo, e que eles não cometeram nenhum crime grave, tudo não passa de um procedimento do ICE para lidar com as deportações. O governo Obama já deportou mais que o governo anterior no mesmo período,  então não é de se espantar tal situação” afirma ele,  fazendo referência à cota mínima de 400.000 deportações para 2010.

Fonte: (Da redação)