Publicado em 30/08/2010 as 12:00am

Dois mineiros estão entre as 72 vítimas da chacina no México

Logo depois da passagem do furacão Katrina, que arrasou Nova Orleans há exatamente cinco anos, em 29 de agosto de 2005, milhares de imigrantes chegaram à cidade para trabalhar na reconstrução, entre eles muitos brasileiros.

 

Logo depois da passagem do furacão Katrina, que arrasou Nova Orleans há exatamente cinco anos, em 29 de agosto de 2005, milhares de imigrantes chegaram à cidade para trabalhar na reconstrução, entre eles muitos brasileiros.

A trajetória de dois desses brasileiros é uma das histórias retratadas no recém-concluído documentário Land of Opportunity (Terra da Oportunidade), de Luisa Dantas, que durante quase cinco anos acompanhou oito personagens em meio aos esforços para recuperar a cidade.

O vendedor de carros Marcio Passos, de Bauru, deixou mulher e dois filhos no Brasil para trabalhar nas obras de reconstrução dos prédios de Nova Orleans.

Elza França tinha como objetivo juntar dinheiro com o trabalho como faxineira para comprar uma casa e voltar para as três filhas, que ficaram no Brasil.

O filme mostra ainda um estudante cuja família foi desalojada pelo furacão, três ativistas, um arquiteto e o idealizador de uma horta urbana, histórias que revelam diferentes ângulos do longo processo de reconstrução de Nova Orleans.

Mudança
A presença dos brasileiros no filme ocorreu quase por acaso. Durante as filmagens, a diretora acabou percebendo que havia muitos trabalhadores do Brasil entre os imigrantes nos canteiros de obras.

Segundo ela, a participação dos imigrantes foi fundamental para a reconstrução de Nova Orleans, e os brasileiros tiveram um papel importante nesse processo.

“Antes do Katrina, Nova Orleans tinha uma população latina muito pequena”, diz Luisa. A cineasta morava em Los Angeles na época da tragédia. Logo depois do Katrina, foi enviada a Nova Orleans para rodar um vídeo institucional, a convite de uma ONG.

A ideia era ficar algumas semanas, mas no segundo dia, Luisa percebeu que queria contar uma história maior. Em julho de 2006, mudou-se para Nova Orleans, ao lado do fotógrafo Micheal Boedigheimer. “Achava que ia ficar aqui seis meses ou um ano. Aos poucos, foi ficando claro que ia ser muito mais”, diz Luisa.

Exibição

Em quase cinco anos, foram 1,5 mil horas de material, que a cineasta teve de condensar em 95 minutos. “De cada história maravilhosa, muitas foram deixadas de fora”, diz.

Nesta semana, o documentário foi exibido em alguns países da Europa, pelo Canal Arte. Nos Estados Unidos e no Brasil ainda não há previsão de exibição.

As histórias relatadas no filme e também as que ficaram de fora podem ser conferidas no site www.landofopportunitymovie.com, que tem o cineasta americano Spike Lee como consultor.

Apesar da oportunidade surgida com a reconstrução da cidade, os dois brasileiros retratados no documentário não atingiram ainda os objetivos que os atraíram para Nova Orleans.

Marcio Passos voltou a Bauru em 2008, pressionado pela mulher que havia ficado no Brasil. Os dois acabaram se separando.

Elza França permanece nos Estados Unidos e ainda não conseguiu juntar dinheiro suficiente para comprar a casa para a família.

Fonte: (Da redação)

Top News