Publicado em 8/09/2010 as 12:00am

Qual a atual imagem do Brasil e dos brasileiros no exterior?

Estados Unidos foi o primeiro país a reconhecer a Independência do Brasil

Ontem, dia 7 de setembro, comemorou-se a independência do Brasil, a qual foi proclamada em 1822 por Dom Pedro I, às margens do Rio Ipiranga, em São Paulo. Ao longo destes 188 anos, o país passou por diversas mudanças e atravessou muitas crises.

Os primeiros países que reconheceram a independência do Brasil foram os Estados Unidos e o México. Portugal exigiu do Brasil o pagamento de 2 milhões de libras esterlinas para reconhecer a independência de sua ex-colônia. Sem este dinheiro, D. Pedro recorreu a um empréstimo da Inglaterra.

Embora tenha sido de grande valor, este fato histórico não provocou rupturas sociais no Brasil. O povo mais pobre se quer acompanhou ou entendeu o significado da independência. A estrutura agrária continuou a mesma, a escravidão se manteve e a distribuição de renda continuou desigual. A elite agrária, que deu suporte D. Pedro I, foi a camada que mais se beneficiou.

A reportagem do jornal Brazilian Times entrevistou alguns brasileiros, os quais falaram sobre a visão que têm do Brasil atual.

 

Jorge Costa, ativista comunitário, Framingham – MA

Atualmente a imagem do brasileiro e do Brasil não poderia ser melhor, apesar de um ou outro inconveniente que alguém traz, mas normalmente somos vistos como bons trabalhadores, esforçados e que uma comunidade muito unida, embora acho que pudéssemos agir mais coletivamente , em algumas situações. Reconheço isso no respeito que temos com as autoridades americanas, eles nos vêem como os verdadeiros embaixadores da nossa pátria fora do Brasil

Cláudia Tamsky, ativista comunitária, Milford – MA

O Brasil está muito bem visto e muito conceituado a nível mundial, graças ao governo Lula. Hoje estamos à frente dos EUA entre os países mais promissores para investimento no mundo. Me sinto orgulhosa por ser brasileira e gostaria que muitos outros, que também são legais no país, que trabalhassem por aqueles que não são. Os brasileiros que são cidadãos americanos tem poder político para pressionar os governantes e legisladores a apoiar uma ampla reforma imigratória.   Se esse país não está totalmente quebrado, é por causa da mão de obra imigrante, só a legalização dos indocumentados vai tirar os EUA do buraco

 

Drita Protopapa, norte-americana, empresária do ramo de Tradução e  Interpretação, Framingham - MA

 

Minha visão hoje e desde que conheci o Brasil em 1986, é  que o Brasil é um pais com grande potencial em termos do mercado mundial de negócios e tem o povo mais hospitaleiro que eu já conheci até agora. É um dos países mais criativos em termos de marketing, música, cinema. Eu amo o Brasil!

 

 


Rosilene Campos, babá, Brockton - MA

Eu penso que o Brasil mudou em algumas coisas e em outras não. Agora com a Copa e Olimpíadas chegando,  as mudanças vão continuar principalmente nos estádios, hospedagem, segurança, transporte, etc.  Mas em outras,  serão esquecidas (educação, saúde, saneamento básico, distribuição de renda, entre outras prioridades). Tem muitos anos que não vou ao Brasil,  mas espero um dia poder voltar a morar no Rio de Janeiro. É um país cheio de oportunidades, abundante em belezas e riquezas, embora o povo brasileiro precise ver e mostrar isso para o mundo. Conheço muitos brasileiros aqui nos EUA que não dão valor ao Brasil por causa do governo mas acho isso tem que mudar, e devemos sim,  defender e lutar pela nossa pátria

 

Sue O’brien, conselheira jurídica, Revere – MA

É visível que o americano está tentando se aproximar mais da comunidade brasileira, sendo mais acessível, estamos sendo recebidos por políticos, autoridades, de maneira muito mais carismática e aberta ao diálogo em questões pertinentes aos imigrantes. Eles estão percebendo da necessidade da mão-de-obra imigrante para a nação, com colaborações econômicas, no mercado de trabalho, em vários setores da sociedade

 

 

Magno Assis, Policial Militar, morou 4 anos em Massachusetts,  atualmente reside em Ipatinga – MG

 

Quando saí do Brasil, em 2005, o país já apresentava sinais de melhora na economia, mas o fator humano ainda caminhava à passos lentos. Com as notícias que lia e ouvia do Brasil estando nos USA, o país estava melhorando. Vendo agora do lado de cá, no Brasil, sinto que ouve sim uma melhora em diversas áreas: adquirir bens como carro, eletrodomésticos e casa por financiamento e a 

educação e segurança pública também avançaram. Porém a área da saúde ainda está muito aquém do necessário. Enfim, na minha visão, mesmo que a passos lentos o Brasil está melhorando

 

 

Marilane Schatzmann, professora, ex-intercambista nos EUA, reside em Joinville - SC

Pensar que os brasileiros são vistos de forma inferiorizada pelos americanos é uma imagem que foi posta em xeque, a partir da experiência de morar nos Estados Unidos. Constatei que o pensamento de superioridade e inferioridade, pode existir na mente de qualquer pessoa independente do lugar em que ela vive. Trabalhei temporariamente no país para poder vivenciar a cultura e os costumes de um local diferente, e me senti surpreendida mais positivamente do que negativamente com a maneira como fui tratada e como vi a relação dos americanos com os brasileiros

Fonte: (Da redação)

Top News