Publicado em 15/09/2010 as 12:00am

Brasileiro que contraiu leishmaniose em viagem ao Brasil terá que reconstituir a face

O mineiro Wallace Soares da Cruz, de 42 anos, que contraiu leishmaniose do tipo mucocutânea, acaba de receber a notícia que terá que enfrentar mais um grande desafio em sua vida : realizar a reconstrução da sua face

Por Marcelo Zicker

 

O caso do mineiro Wallace Soares da Cruz, de 42 anos, que é vítima de uma tragédia após uma viagem ao Brasil, sensibilizou toda a comunidade brasileira dos EUA e da sua cidade natal de Mantena, em Minas Gerais.  Ele, que reside há muitos anos na região do MetroWest e South Shore, e que atualmente se encontra no Brasil para o tratamento da leishmaniose do tipo mucocutânea, acaba de receber a notícia que terá que enfrentar mais um grande desafio em sua vida : realizar a reconstrução da sua face, após cirurgias que desfiguraram sua boca, cordas vocais, nariz e agora o olho direito, que recentemente foi retirado por completo.

Wallace, que vivia há muitos anos nos EUA, e desde 2000 estava legal no país, fazendo visitas constantes ao Brasil, voltou da última viagem com algo inesperado : o protozoário da leishmaniose. Uma doença típica de regiões tropicais, ela é transmitida por um mosquito, conhecido como ‘palha’ ou ‘birigui’. Entre as 200 espécies de leishmania  que atacam normalmente cães,gatos e raposas, 6 são responsáveis por  atacar os seres humanos. O mineiro, contraiu a forma mais severa da doença, denominada leishmaniose mucocutânea, que produz lesões destrutivas do tecido da face. “ Quando ele chegou de viagem, ele reclamava  de uma ferida na narina. Ao sentir-se incomodado com o crescimento da tal ferida, ele procurou o hospital de Norwood, e após fazer alguns testes, foi constatado que a leishmaniose evoluiu para um tipo de câncer na face, com um tratamento que incluiria cirurgias e medicamentos fortíssimos”  diz  o amigo Léo Perry.

Após seguidas cirurgias, Wallace teve que enfrentar um novo problema, o rosto absolutamente desfigurado e que teria que ser reconstruído. No Brasil, para tratamento em Ipatinga – MA, ele também perdeu parte da capacidade para falar e mexer a boca. Agressiva, a doença lhe afetou as vias nasais, a boca, as gengivas e posteriormente, a face e a região dos olhos, tendo até que retirar o olho direito. “ Embora existam todas as dificuldades, seu espírito de vencer ainda é muito grande, a sua determinação em superar essa tragédia está cada vez maior” continua o amigo Perry, que informa que Wallace não teria cobertura do Mass Health a partir de agora, por alguns procedimentos serem de reconstituição estética. Ele foi informado que mais cirurgias serão necessárias, para que possa reconstruir a face, que ficou deformada após tantas intervenções.

O mineiro retornou recentemente para os EUA,  e uma campanha foi amplamente divulgada por seus amigos acerca da sua situação financeira para custear as despesas do tratamento restante de reconstrução do rosto. Bailes, rifas, shows, churrascos, tudo foi realizado para arrecadar fundos para Wallace, embora o valor arrecadado tenha sido muito pouco para dar continuidade ao tratamento. No último dia 10, o brasileiro voltou ao Brasil, para mais uma avaliação do seu caso, no Rio de Janeiro e iniciar uma longa jornada. Será necessário reconstruir o ‘céu da boca’, o que lhe dará a oportunidade de falar novamente,  a reconstrução da pálpebra, e um enxerto na face. “ Sabemos que seu rosto jamais será o mesmo, mas o sorriso voltará a ser radiante como antes, tenho certeza” diz Léo.

O amigo, que tem estado à frente das campanhas e eventos para arrecadação de fundos, alerta a comunidade para mais cuidados, em visitas ao Brasil. “ Nós que vivemos aqui nos EUA, temos muito acesso à informação, portanto temos que ser prudentes ao visitar ao Brasil, ou qualquer país tropical, pois lá existem muitas doenças das quais não estamos acostumados aqui. Há recursos em precaver tais doenças, usar repelentes, evitar ficar em lugares com acúmulo de água parada, ter certeza que estamos consumindo alimentos bem cozidos, principalmente carnes” salienta Perry.  

Após a veiculação da primeira reportagem acerca do caso, a redação do jornal Brazilian Times recebeu muitas ligações de brasileiros querendo oferecer ajuda a Wallace, inclusive de uma médica que trabalha em um hospital de Boston, querendo mais informações acerca do caso. Uma conta corrente está sendo disponibilizada para aqueles que se sensibilizarem com o episódio envolvendo o mineiro. Bank of America – 004634024429. Maiores informações contatar Azanete pelo número (617) 724 – 2926, Léo Perry (617) 291 – 6155 ou ligar diretamente no Brasil, e falar com o irmão do mineiro, China, (33) 3241 -  1579.

Fonte: (Da redação)