Publicado em 27/09/2010 as 12:00am

Vereadores de Somerville/MA acionam apoio ao Dream Act

O prefeito da cidade, Joe Curtatone, afirmou que fará uma proclamação de apoio ao projeto, caso a câmara de vereadores falhe em aprovar uma resolução

 

A câmara dos vereadores de Somerville - MA, sempre envolvida com eventos que apóiem políticas de inclusão social aos imigrantes da cidade,  afirmou essa semana que poderá realizar uma resolução de apoio ao Dream Act, projeto que foi negado no senado federal na semana passada, por apenas 4 votos.

A organização pró-imigrante, Centro Presente, porém,se diz decepcionada com o resultado da votação no senado federal e também acha que o resultado está repercutindo de forma negativa no meio político. “ Agora, nós sabemos a real face do governo. É  tudo que eu tenho a dizer” afirma Patricia Montes, diretora-executiva da ONG ao portal Wicked Local. Quase todos os vereadores, com exceção de apenas um, tem participado de eventos da entidade.

“ Eu acho que é importante ouvir o que eles acham sobre projetos como esse” afirma um outro membro da organização, Gabriel Camacho. A discussão acerca do projeto federal, que daria a chance de milhões de jovens indocumentados de alcançar a cidadania americana, chegou até mesmo com opiniões do prefeito da cidade, Joe Curtatone, que afirmou que faria uma proclamação de apoio ao projeto, caso a câmara de vereadores falhe em aprovar uma resolução.

O projeto, discutido há muitos anos, se configura um caminho para gerar um status legal para estudantes que desembarcaram nos EUA antes dos 15 anos e vivem no país há pelo menos 5 anos, se graduando na High School e com perspectivas no ensino superior. Aqueles  jovens que serviram às forças armadas também são qualificados para a medida. Alguns temem que o Dream Act diminuirá o foco em outras questões de imigração, outros a vêem como um "sinal" em direção a uma reforma mais ampla. Em nova tentativa de aprovar a iniciativa, o senado federal falhou mais uma vez na semana passada, faltando apenas 4 votos para atingir os 60 necessários, ficando em 56 votos a favor , e 43 contra.

A câmara afirmou recentemente que ainda não há um conhecimento profundo acerca da lei, e que por isso, ela será analisada com mais calma, antes de uma resolução de apoio. “ Estou aberta para discutir a proposta, e quero lê-la primeiro” afirma a vereadora Rebekah Gewirtz,

Fonte: (Da redação)