Publicado em 6/10/2010 as 12:00am

Maurício de Sousa fala da estreia da Turma da Mônica na Globo Internacional

No sábado (09), estreará na TV Globo Internacional um dos desenhos mais conhecidos entre os brasileiros.

Por Luciano Sodré


No sábado (09), estreará na TV Globo Internacional um dos desenhos mais conhecidos entre os brasileiros. A Turma da Mônica saiu das páginas das histórias em quadrinhos para ocupar as telas das comunidades brasileiras no exterior. Em uma entrevista descontraída, o desenhista Maurício de Sousa falou de sua carreira, dos projetos para o futuro e sobre esta estreia.

Ele conta que os pais foram muito importantes no início de sua carreira, “pois ensinaram-lhe a arte da comunicação”. Para Maurício, saber se expressar e expor suas idéias é o principal fator para crescer na vida.

Brazilian Times – Qual foi o seu primeiro personagem, Bidu ou Capitão Picolé ?

Maurício de Sousa – O Capitão Picolé foi uma brincadeira de infância, apesar de se tornar conhecido. Mas foi o Bidu o primeiro personagem, acompanhado do seu dono Franjinha.

 

Brazilian Times –  Você sempre deixou claro em diversas entrevistas que maior parte de suas criações são inspiradas em parentes e amigos. Quem inspirou a criação de Bidu e Franjinha?

Maurício de Sousa – O Bidu foi inspirado em um cãozinho que eu tinha e o Franjinha é uma mistura do Maurício de Sousa moleque com a graciosidade de Carlinhos, um sobrinho meu.

Brazilian Times –   Você tem 10 filhos, todos biológicos, e todos te inspiraram na criação de um personagem. Qual dos seus filhos tem as características mais semelhantes às da criação?

Maurício de Sousa – Todos possuem características fortes e posso citar a minha filha Magali que inspirou a Magali. Ambas são muito comilonas e assumem que são gulosas. A Mônica apesar de negar que é brava como a Mônica das histórias em quadrinhos, pode ter certeza é muito brava.

 

Brazilian Times –  A Mônica, personagem mais marcante de suas criações, foi criada no início da década de 60. Você acredita que sua carreira tenha tomado impulso nesta época.

Maurício de Sousa – Não! Quando eu criei a Mônica, já desenhava para alguns jornais no Brasil, inclusive para a Folha de São Paulo, na qual já estava há três anos. Inclusive eu criei uma rede de distribuição de material e enviei meus desenhos para mais de 300 jornais espalhados por todo o Brasil.

 

Brazilian Times – Quais os principais motivos para o sucesso de suas criações?

Maurício de Sousa – Acredito que o principal motivo é que meus personagens falam uma língua que pega todo tipo de público. Meus argumentos são fáceis de serem compreendidos e universais. Eu estudei bastante as técnicas e roteiros dos quadrinhos feitos nos Estados Unidos, os quais utilizam narrativas e técnicas fáceis de serem compreendidas por todos os povos. Mas fiz algumas adaptações para o mercado brasileiro.

Brazilian Times – Qual a diferença dos personagens de Mauricio de Sousa para os da Walt Disney?

Maurício de Sousa – Os personagens da Walt Disney utilizam bastante o merchandising e tem uma apelação de marketing muito forte. Os meus focam mais as histórias e tem como centro do foco, o leitor.

Brazilian Times – No início você iniciou, sozinho, a sua carreira. Atualmente, como está a Mauricio de Sousa Produções?

Maurício de Sousa – Abri novos projetos, criei novos personagens e formei uma equipe de desenhistas auxiliares, os quais oriento sobre o trabalho e como proceder nas histórias. Tenho 150 artistas atuando na área de desenho e raramente eu desenho. Fico mais na parte de avaliação e monitoramento dos trabalhos.

Brazilian Times – Você nunca teve medo de algum personagem não dar certo?

Maurício de Sousa – Meus personagens são como filhos. Nunca serão feios aos nossos olhos e sempre serão os melhores do mundo. Assim eu vejo a minha criação.

Brazilian Times – Você sempre se baseia em amigos e parentes para fazer suas criações. Se um dos seus personagens fosse desenhar o Maurício de Sousa, qual a característica mais marcante?

Maurício de Sousa – Acredito que um personagem baseado em mim deveria ter sobrancelhas grandes e grossas. As pessoas comentam que eu falo mais com as sobrancelhas do que com a boca.

Brazilian Times – Existe alguma história que você considera mais marcante em sua carreira?

Maurício de Sousa – Todas as minhas histórias marcaram de alguma forma, mas quero citar “Os Azuis”, com a Turma da Mônica, que nas entrelinhas mostrava o quanto o preconceito racial prejudica uma sociedade.

Estreia na Globo Internacional

O desenhista comenta que a idéia de publicar seus desenhos em forma de animação já existe há bastante tempo e que nesta parceria com a TV Globo Internacional, a Turma da Mônica foi a primeira a ser escolhida para animar a programação da emissora. Mas a produção de outros personagens para serem utilizados em vídeo está em andamento.

Com a entrada de seus desenhos na mídia televisiva, Maurício afirma que isso abre espaço para a criação de um projeto que venha distribuir suas revistas em quadrinhos nos Estados Unidos, em português e inglês. “Mas aviso que todos os desenhos são inéditos na televisão e garanto que as pessoas vão gostar”, salienta.

Recorde de vendas

Apesar da Turma da Mônica ser a mais conhecida, o gibi que traz histórias do craque de futebol Ronaldinho Gaúcho, é o recorde de vendas. Segundo Maurício, ele é distribuído em vários países e publicado em 32 idiomas.

Desenhistas

Mauricio de Sousa, ao final de sua entrevista disse que está atrás de novos desenhistas. “Não importa onde a pessoa more, pois a tecnologia nos permite trocar arquivos pela Internet. Mas precisa ser desenhista que faça a turma da Mônica”, fala acrescentando que os interessados podem entrar em contato com o escritório em New York, através do telefone (212) 265-2223

Educando através dos desenhos

Mauricio conta que está trabalhando um projeto que está lhe rendendo uma satisfação muito grande. Através de uma parceria com uma empresa na China, a Turma da Mônica está alfabetizando, em Mandarim, as crianças chinesas. O projeto, considerado pelo desenhista o maior de sua carreira, deve atingir mais de 180 milhões de crianças.

Assim como está acontecendo na China, Maurício ressalta que empresas em outros países podem entrar em contato com ele para promover a educação utilizando os seus desenhos.

Fonte: (Da redação)