Publicado em 22/10/2010 as 12:00am

New Jersey apresenta mais uma candidata ao CRBE

Na etapa final das candidaturas aos cargos de Representantes das Comunidades Brasileiras no Exterior, o Brazilian Times

 

Por Claudia Carmo

Na etapa final das candidaturas aos cargos de Representantes das Comunidades Brasileiras no Exterior, o Brazilian Times apresenta nesta edição a candidata pelo Estado de New Jersey, Marli Cagley.

Marly é carioca e  chegou nos EUA em 1968. no Brasil Marli era estudante e resolveu vir para a terra do Tio Sam  para  continuar estudando e também  trabalhar para ajudar seus pais no Brasil. Seu primeiro trabalho na America foi em uma fabrica de bolsas. Fez secretariado e passou a trabalhar com advogados durante 17 anos. Neste período conheceu as necessidades dos brasileiros que viviam nos EUA. Trabalhava com traduções e Interprete para brasileiros que precisavam de ajuda com documentações.

Durante seus 41 anos de America Marli sempre esteve envolvida, trabalhando e ajudando a comunidade Brasileira.

Em entrevista ao jornal Brazilian Times, Marli Cagley conta um pouco da sua historia na America e sobre suas propostas como Representante da Comunidade nos EUA.

 

 

Brazilian Times -  Por que você se candidatou a Representante da Comunidade Brasileira?

Marli Cagley - Creio que mais de 30 anos  em serviço comunitário, me deram a  confidencia de que  estou capacitada  a  falar pelo meu povo.

 

Brazilian Times - O que você já fez em benefício da comunidade Brasileira?

Marli Cagley - Desde  1976,  me  dedico ao trabalho comunitário. Era então naquela época  secretaria de um advogado, quando tomei conhecimento do quanto o meu povo necessitava de ajuda, muitos vinham no escritório recomendados a minha procura, porque sabiam que ali trabalhava uma brasileira e  me pediam ajuda para servir de  interprete a eles. Então  decidi que me dedicaria a dar ajuda ao  meu povo. Tínhamos casos de imigração, violência domestica, deportação, casos inclusive de exploração,  de brasileiros que trabalhavam e nunca  eram pagos,  em muitos casos servi de interprete em cortes, não só para o meu povo como também para  portugueses e espanhóis.

 

Brazilian Times - Qual a sua profissão e formação? 

Marli Cagley - Nascida e criada no rio de janeiro,meus pais  tinham que trabalhar e colocaram eu e minhas irmãs numa escola católica só de meninas,  onde  me  eduquei  durante 10 anos. Com 16 anos ajudava minha mãe. Ela tinha um atelier de costura em Copacabana e  costurava para muitas pessoas, inclusive para artistas de cinema, radio e televisão, onde tive a oportunidade de conhecer pessoalmente muitos  deles. Sou formada em secretariado  e  estudei para comissária de  bordo. 

 

Brazilian Times - Quais são as suas propostas e projetos como representante da comunidade?

Marli Cagley - Incentivar a comunidade a  se assimilar com a cultura americana, para que possam entender melhor  as leis deste pais, como  a educação para seus filhos, aprender o idioma da terra, saúde, trabalhos e muito mais  e  também manter sua identidade  como brasileiros. Trazer a comunidade um meio  de  ensinarem aos seus filhos, que são nascidos e criados aqui a não esquecerem  a cultura de seus pais, enviando-os a cursos de português,  para que aprendam tudo sobre  suas raízes.  Tentar trazer a todos um plano de saúde familiar a baixo custo.  Incentivar a todos a fazerem um seguro de vida familiar, para quando suceder um caso de morte,  poder enviar o corpo de  seus familiares ao Brasil sem se estressarem como vão pagar.

  

Brazilian Times - Você já tem alguma proposta, a qual vai trabalhar na sua campanha?

Marli Cagley - Trabalhando na prefeitura de Newark, como comissária dos senhores cidadãos  desta cidade,tenho aprendido muito sobre as necessidades do povo,  principalmente o povo da terceira  idade. Vou trabalhar  para  dar melhor assistência possível a todos, principalmente  aos  idosos  e crianças que serão minha prioridade. Estarei sempre de braços abertos  aos  meus irmãos  brasileiros.

Fonte: (Da redação)