Publicado em 3/11/2010 as 12:00am

Brasileiro é preso acusado de pertencer à Gang em MA

Além da acusação de botar fogo em uma das diversas casas que invadiu, Carlos também responderá por espancamento, intimidação de vítima e ameaça de morte

 

Um brasileiro suspeito de pertencer a uma violenta gang de Ashland – MA,  foi preso na última semana, acusado de espancar, intimidar e ameaçar de morte um outro homem da cidade, exigindo que ele  pagasse pelo retorno de  outros brasileiros que são membros da gang, e que foram deportados à Massachusetts. Carlos Soares, de 26 anos, é acusado também de liderar diversas outras organizações criminosas, tendo invadido várias casas ao longo de vários meses.

Além da acusação de intimidação e agressão, Carlos também enfrenta a acusação de botar fogo em uma das casas que invadiu, segundo afirmou a promotora Julia Andrus. Ele foi preso no dia 26, quando a polícia invadiu sua casa , situada na rua Hollis St em Framingham – MA, escondido no armário,  segurando um envelope que continha várias ID falsas, assim como reservas para um vôo ao Brasil, disse Andrus.

A investigação, que está focada em mais de 12 acusações que Soares está enfrentando, resultam de incidentes ocorridos em abril, mas a polícia não tinha sido capaz de identificar o brasileiro por causa de uma infinidade de nomes falsos que ele utilizava.


Em 10 de abril, a polícia de Ashland investigou um arrombamento em uma casa na Water Street. Uma mulher disse que alguém  teria roubado  jóias roubadas e cerca de 2.000 dólares de seu cofre. De acordo com um relatório policial apresentado pelo sargento  Gregg Wildman, ela suspeitou que o arrombamento tivesse algo a ver com o seu vizinho.

A investigação prosseguiu até 28 de abril, quando um  homem foi à delegacia da cidade com o rosto e queixo coberto de machucados, dizendo à polícia que ele "estava temendo por sua vida’, segundo o sargento Gregg disse ao  jornal MetroWestDailyNews.

Ele disse que foi atacado por um grupo de homens enquanto caminhava em Framingham e que  se eles soubessem que ele estava falando com a polícia "eles o matariam." .  Durante um dos ataques, a vítima  disse que Soares mandou ele dar  10.000 dólares, que seriam para financiar o retorno de alguns membros da gang ao país. A vítima então disse a ele sua conta bancária e depositou o dinheiro que ele tinha no banco, $3.200.

O brasileiro teve fiança estipulada em  $25,000 . O advogado do acusado, Robert Costello, argumentando que seu cliente deveria ser solto sem fiança, justificando que ele não era responsável por nenhum dos crimes, que não haviam  indícios concretos de sua participação neles.

Carlos Soares volta à Côrte  no dia 15 de Novembro para uma audiência prévia.

Fonte: (Da redação)

Top News